Videntes que ‘conversam’ com pets atraem clientes em Hong Kong - Pet é pop

  • Videntes que ‘conversam’ com pets atraem clientes em Hong Kong

    Li Hiu-kwan, vidente que fala com animais em Hong Kong - Foto YouTube
    -->



    Li Hiu-kwan, vidente que fala com animais em Hong Kong - Foto YouTube
    Videntes que ‘conversam’ com pets
    Nem só notícias sobre protestos chegam de Hong Kong. Moradora no território autônomo, Li Hiu-kwan, de 33 anos, afirma que consegue conversar com quase qualquer tipo de animal. Médium autoproclamada, ela diz que pode dizer o que está sentindo apenas olhando fotos dos bichos.

    E é assim que ela ganha a vida, atendendo a donos ansiosos por conhecer melhor os seus animais de estimação.

    “É uma espécie de telepatia”, explicou Li ao site do jornal “South China Morning Post”. “Quando olho para as fotos, entro no mundo dos animais, que é carregado com informações sobre eles. Assim como a internet no mundo dos humanos.”

    Ela lembra de um episódio em que conseguiu se comunicar com baratas. Em um micro-ônibus, viu várias delas vindo em sua direção. Ordenou que elas se virassem e fossem embora. Segundo a moça, os insetos atenderam ao comando.

    Isso funciona mesmo?

    Com três anos de experiência no ramo, o especialista em comunicação animal Yeshma Sawlani diz que a coisa tem até nome: leitura psíquica à distância. Ele afirma que os comunicadores podem atingir a frequência dos animais e que uma foto acelera a comunicação.

    Com o número de pessoas que mantém cães e gatos crescendo em Hong Kong, esses videntes de animais de estimação podem ganhar dezenas de milhares de dólares por ano. E, de acordo com Li e Sawlani, mais e mais pessoas estão aderindo ao serviço.

    Li cobra US$ 300 por uma consulta de 15 minutos por telefone ou pela internet. Graduada em marketing, ela adotou a nova profissão e criou uma página no Facebook para divulgar o trabalho. Já tem mais de 3.000 seguidores e atende de dois a cinco clientes por dia.

    Sawlani, que se diz novato em campo, cobra pouco mais de US$ 190 para “conversar” por uma hora com animais. Ele diz que atende uma média de cinco clientes por mês.

    Falta de respaldo científico

    A psicóloga clínica Eliza Cheung Yee-lai, que preside a Associação de Psicólogos Clínicos de Hong Kong, levanta dúvidas sobre se os humanos podem ou não conversar com animais sem contato direto.

    Citando um experimento da psicóloga animal norte-americana Irene Pepperberg, Cheung diz que não há provas científicas de que os humanos possam conversar com animais sem conhecê-los, mas vários estudos no campo mostraram uma comunicação limitada, com base em brincadeiras verbais e dicas visuais, como sinais de mão e desenhos.

    Pepperberg interagiu com um papagaio macho chamado Alex entre 1976 e 2007. Suas relações mostraram que Alex era tão inteligente quanto uma criança de cinco anos de idade.

    Com 12 anos de experiência em veterinária, David Hopkins diz que os donos de animais precisam ter cuidado com o que acreditam ser verdadeiro ou não.

    Ele afirma que os videntes costumam receber dicas dos donos de animais durante as conversas. Eles estão, portanto, procurando as experiências anteriores dos donos, em vez de basear suas análises apenas das fotos.

    Para Hopkins, é um pouco como a astrologia. Ele diz que, do ponto de vista científico, a atividade não se sustenta.

    Mas Li responde que as pessoas não devem ver tudo através do prisma da ciência, enquanto Sawlani prefere não comentar.

    Cão e seus donos - Foto Pexels

    O que dizem os donos

    Janice Kau Wun-na, de 27 anos, está entre os muitos da cidade que não se intimidam e gastam centenas de dólares com essas consultas.

    Kau, uma freelancer que trabalha com mídia, paga US$ 300 por uma consulta telefônica de 40 minutos. Nesse tempo, ela obtém em média dez respostas sobre o comportamento e sentimentos do seu gato de oito meses.

    Antes de procurar um comunicador, a moça machucou seu gato acidentalmente, quando cortava suas unhas. Dias depois, segundo ela, perguntou ao vidente se o gato estava bem, e o vidente teria relatado o acidente.

    O assistente legislativo Ng Tung-tat, também de 27 anos, afirma ser usuário frequente do serviço. “Acredito que há coisas que a ciência não pode explicar”, diz.

  • Back to top