Seu cão mudou de comportamento ou anda esquecido? Pode ser a síndrome da disfunção cognitiva - Pet é pop

Seu cão mudou de comportamento ou anda esquecido? Pode ser a síndrome da disfunção cognitiva

Seu cão mudou de comportamento ou anda esquecido? Pode ser a síndrome da disfunção cognitiva
Seu cão mudou de comportamento ou anda esquecido? Pode ser a síndrome da disfunção cognitiva
Seu cão mudou de comportamento ou anda esquecido? Pode ser a síndrome da disfunção cognitiva (Foto: Erda Estremera/Unsplash)

Os cães sem dúvida são um dos animais de estimação mais próximos dos homens, devido a estreita relação desenvolvida ao longo dos anos. A estimativa média de vida canina varia de acordo com a raça e outros fatores – normalmente, quanto maior o porte, menor é a expectativa de longevidade. E é justamente na idade mais avançada que esses pets ficam mais vulneráveis à disfunção cognitiva canina (DCC), apresentando mudanças de comportamento, memória e aprendizado.

Veja também:

+ 10 coisas estranhas que os cães fazem e as razões desses comportamentos
+ Cães da raça border collie mostram inteligência impressionante em estudo
+ Vídeo: reação de gato quando o dono sai de casa é de cortar o coração

A prevalência de DCC varia de 14 a 35% em cães com mais de oito anos de idade, e o risco de desenvolver a doença aumenta exponencialmente com a progressão da idade. As alterações comportamentais caracterizadas pela perda da função cognitiva incluem manifestações como desorientação, alteração da interação social, eliminação de fezes e urina em locais não habituais, mudanças no ciclo de sono-vigília e redução na função de memória e habilidades de aprendizagem.

O tratamento consiste na atuação do retardo para frear os avanços das lesões neuronais e morte celular. Para minimizar os sintomas observados, a terapia inclui medicamentos, dieta e suplementos que podem ser usados isoladamente ou concomitantemente para melhorar a neurotransmissão e reduzir o dano oxidativo e a inflamação.

Um dos medicamentos utilizados para o tratamento da doença é o Revimax, produzido pelo grupo União Química. A subtância aumenta o fluxo sanguíneo cerebral e atua diretamente contra o processo neurodegenerativo, melhorando as funções cognitivas e reduzindo as alterações comportamentais do animal senil. “A disfunção cognitiva canina é uma doença neurodegenerativa, que acomete animais idosos e normalmente é subdiagnosticada nos estágios iniciais da doença. As manifestações clínicas inespecíficas e a ausência de marcadores específicos, dificultam o diagnóstico precoce, e geralmente os tutores buscam a avaliação clínica somente em estágios avançados da doença, explica Marco Dalalio, diretor da Agener União.

Existem inúmeras opções para o tratamento da DCC, e algumas necessitam de mais pesquisas para esclarecer sua eficácia. No entanto, os profissionais entendem que a melhor opção de tratamento conhecida atualmente é a combinação da terapia medicamentosa, como o Revimax, terapia nutricional e principalmente, um programa de enriquecimento ambiental para melhorar a qualidade de vida nesses pacientes.

Revimax é comercializado na dosagem de 50g, em cartucho com 30 comprimidos palatáveis e bissulcados e indicação veterinária para aquisição nas lojas parceiras que comercializam o medicamento.

  • Back to top