Saiba como diagnosticar e tratar um gato com asma - Pet é pop

Saiba como diagnosticar e tratar um gato com asma

Saiba como diagnosticar e tratar um gato com asma



Saiba como diagnosticar e tratar um gato com asma
Saiba como diagnosticar e tratar um gato com asma (Foto: Cong H/Unsplash)

Todos nós já ouvimos falar de asma em pessoas, mas poucos sabem que o seu gato também pode ter asma. Embora a asma felina seja uma doença rara, gatos com asma podem ser muito assustadores para os donos. Geralmente, os gatos não mostram sinais da doença até os 3 a 5 anos de idade. Os sintomas incluem respiração ofegante e tosse, respiração com a boca aberta e, às vezes, batimento cardíaco acelerado.

Veja também:

8 sinais de que você precisa correr com seu gato ao veterinário
Mitos e verdades sobre os gatos pretos e o Halloween
Confira 5 coisas que deixam o gatos estressados

Existem várias outras doenças que compartilham desses mesmos sintomas, tornando o diagnóstico de asma ainda mais difícil.

A dirofilariose em gatos é uma dessas doenças. Os gatos não são hospedeiros naturais para vermes e nem sempre apresentam teste positivo quando têm a infecção. Como os sintomas são muito semelhantes, eles podem ser diagnosticados como asma.

Além dos vermes, existem outros parasitas que podem migrar pelo corpo e se instalar nos pulmões, causando uma reação alérgica que simula a asma. Estes incluem ancilóstomos, lombrigas e vermes pulmonares.

Para gatos com asma, o alérgeno é geralmente uma partícula inalada, como pólen ou mofo. Quando exposto pela primeira vez, o corpo cria anticorpos específicos para combater o alérgeno. Na próxima vez que é exposto, o corpo reage, causando uma cascata de eventos resultando em muitas células imunológicas viajando para os pulmões e vias aéreas.

Essa resposta imune desencadeia a irritação, o inchaço e a doença reativa das vias aéreas que definem a asma. As vias aéreas aumentam de tamanho, restringindo o espaço para o fluxo de ar, e o muco se acumula nas passagens de ar. O gato tem dificuldade para respirar, chia e tosse. Pode surgir repentinamente ou pode ser uma progressão gradual. Um ataque repentino é muito assustador tanto para o animal, quanto para o dono.

Quando um gato é apresentado ao veterinário com um episódio respiratório súbito e severo, são feitas radiografias para determinar a causa. A aparência radiográfica dos pulmões é muito útil no diagnóstico de asma. Para iniciar o tratamento, o veterinário geralmente coloca o gato em uma gaiola de oxigênio e dá a ele uma injeção de esteróide. Como os esteróides aliviam a inflamação, o gato pode ser retirado do oxigênio.

Os esteróides são o tratamento ideal para essa condição. Injeções ou esteróides orais são iniciados dependendo da rapidez e gravidade da condição. Muitos gatos podem ser desmamados para um esteróide inalante, como a fluticasona. Se o gato puder ser tratado com o esteróide inalante, isso reduzirá a exposição aos efeitos dos esteróides no corpo.

Se o seu gato for diagnosticado com asma, uma ótima maneira de ajudar a reduzir os ataques de asma é conseguir um purificador de ar para a casa. Qualquer coisa para reduzir a exposição aos alérgenos é útil. Se houver um fumante em casa, ele deve pensar em parar.

As reações asmáticas graves são condições de risco de vida que precisam de tratamento imediato, mas muitos gatos com asma podem ter uma boa qualidade de vida com monitoramento e terapia com esteróides.

Veja também

+ Golden retriever obeso é abandonado, ganha nova família e perde 45 kg

+ Artista recria rostos de imperadores romanos

+App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+McDonald’s vende molho especial pela primeira vez no Brasil

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Edu Guedes faz desabafo sobre acidente de moto: ‘O susto foi grande’

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo


  • Back to top