Quer que seu cão viva mais? Não deixe de ler este texto - Pet é pop

Quer que seu cão viva mais? Não deixe de ler este texto

Quer que seu cão viva mais? Não deixe de ler este texto
Quer que seu cão viva mais? Não deixe de ler este texto
Quer que seu cão viva mais? Não deixe de ler este texto (Foto: Luísa Schetinger/Unsplash)

Se você tem o intuito de ter um cão que viva mais e melhor, veja o que diz Gregg Flowers, especialista em treinamento canino e colunista da Herald-Tribune.

Veja também:

+ Gato que viralizou na internet recebe mais de 3.000 pedidos de adoção
+ Os cães sabem quando o dono está mentindo, diz estudo
+ Conheça os cães e gatos mais ricos das redes sociais e saiba quanto eles faturam

Segundo ele, a maioria dos cães de abrigo que precisam de um lar são mestiços, ou seja, são “vira-latas”. Por conta de sua genética, esses cães são muito mais fortes do que os cães de raça pura. “Este fenômeno é frequentemente referido como ‘vigor híbrido’ e se relaciona a todo o paradigma da ‘sobrevivência do mais apto'”, disse Gregg.

Infelizmente, a reprodução e criação desenfreada ainda é grande e nem todo criador se preocupa com a saúde dos cães que criam. Algumas dessas pessoas estão neste negócio apenas pelo dinheiro. Mas, a criação de cães é uma ciência delicada e os melhores criadores conhecem muito bem as fraquezas genéticas de sua linha ascendente e reproduzem em torno dessas falhas para eliminá-las.

“Minha última cadela, Lulu, viveu até os 17 anos. Ela viveu cerca de quatro anos a mais do que o padrão da raça para pastores australianos. Quando ela tinha cerca de 5 anos, li um livro chamado ‘The Nature of Animal Healing’, do Dr. Martin Goldstein. Esta foi a minha introdução aos métodos holísticos para nossos animais de estimação. Esse livro foi uma verdadeira revelação para mim e tenho certeza de que contribuiu para adicionar alguns anos à vida do meu cão”, contou Gregg.

De acordo com o especialista, o recorde mundial de longevidade canina é de impressionantes 30 anos. A partir da leitura de Gregg, que começou quando Lulu já era um pouco mais velha, ele implementou muitos dos métodos holísticos em seu novo cão, Tillie.

Ele queria um novo pastor australiano, mas acabou encontrando um criador de schnauzers em miniatura para exibições. Ao conhecer um criador da raça, ele começou sua busca por um cão geneticamente sadio. “Eu sabia que estava procurando por um criador que estivesse comprometido com a solidez da raça, e sabia que esses criadores tinham que estar em algum lugar”, relembrou o especialista.

Segundo ele, os criadores de exibição são os mais comprometidos com a estabilidade e saúde dos cães. Eles conhecem os reprodutores intimamente e as deficiências genéticas são eliminadas. “Portanto, a primeira coisa que fiz foi ingressar no ‘Australian Shepherd Club of America’. Por meio do clube, encontrei um criador na Flórida que criava cães para exposição. Isso foi caro? Sim. Mas não tão caro quanto alguns dos cães com os quais trabalho de vez em quando, e posso garantir que os criadores de muitos desses cães prestam absolutamente nenhuma atenção à genética de seus cães. Portanto, é tudo relativo”, contou ele.

Ele concluiu que além da genética, tem algumas coisas que podemos fazer para melhorar a longevidade de nossos cães. O número 1 é alimentar seu cão com uma ração de alta qualidade.

Outra é, em vez de vacinar automaticamente seu cão a cada ano, fazer um exame de sangue para determinar quais anticorpos da vacina permanecem em seu sistema, reduzindo assim a quantidade de produtos químicos que seu cão obtém durante sua vida.

  • Back to top