Quais são as chances de você virar comida para o seu gato? A ciência estuda - Pet é pop

Quais são as chances de você virar comida para o seu gato? A ciência estuda

Quais são as chances de você virar comida para o seu gato? A ciência estuda
Quais são as chances de você virar comida para o seu gato? A ciência estuda
Quais são as chances de você virar comida para o seu gato? A ciência estuda (Foto: Roland Steinmann/Pixabay)

Casos recentes, como a idosa moradora de Madri que teve metade de seu corpo devorado por seus gatos, deixaram os donos se perguntando se seus amados felinos também os transformariam em comida se precisassem. Veja o que a ciência tem a dizer!

Veja também:

+ Homem preso por atropelamento é acusado pela ex de ter decapitado gatos
+ Mulher comemora 100 anos fazendo o que mais gosta: cuidar de cães e gatos
+ Vídeo: músico sul-africano transforma miados do seu gato em canção; violinista brasileira participa

Os cientistas da Universidade Mahidol na Tailândia e da Universidade do Havaí documentaram um desses casos em 2017. Um homem foi encontrado morto e em decomposição em seu apartamento na Tailândia. As análises forenses sugeriram que ele estava morto há três meses. Nesse tempo, pelo menos um de seus três gatos aparentemente se alimentou de seu corpo.

Uma análise mais aprofundada de gatos domésticos comendo cadáveres humanos foi publicada no outono de 2019. Pesquisadores da Forensic Investigation Research Station da Colorado Mesa University observaram alguns casos de felinos selvagens alimentando-se de corpos humanos em decomposição.

A Forensic Investigation Research Station (FIRS) é o lugar perfeito para investigar esse tipo de coisa. Localizada longe de qualquer cidade no oeste do Colorado, a função da estação é pesquisar a decomposição do corpo humano. Graças aos cientistas, bem como dezenas de doadores de corpos, as descobertas do FIRS informam os especialistas em aplicação da lei e cientistas forenses.

Neste caso, os pesquisadores usaram câmeras para assistir dois gatos domésticos selvagens repetidamente vasculhando dois corpos colocados dentro de uma área cercada projetada para impedir a entrada de animais maiores.

O primeiro gato alimentou-se do mesmo corpo quase todas as noites durante 35 dias, focalizando a pele e as camadas de gordura do braço esquerdo e do tórax. O segundo gato se alimentou repetidamente do braço esquerdo de outro corpo em uma dúzia de noites diferentes. Em contraste com o primeiro gato, ele comeu através da pele e gordura no músculo do doador.

Embora muitos outros corpos estivessem disponíveis para os gatos, ambos preferiram comer os mesmos. Eles não estavam interessados ​​em roer ossos.

“Ambos os casos mostraram um padrão distinto, que incluiu: eliminação preferencial do tecido mole da cintura escapular e braço proximal, consumo diferencial de camadas de tecido, defeitos superficiais periféricos à área eliminada [principalmente das garras dos gatos], e ausência de presença de defeitos esqueléticos macroscópicos”, resumiram os pesquisadores.

  • Back to top