Por que dizemos que gatos têm nove vidas? A ciência busca a resposta - Pet é pop

Por que dizemos que gatos têm nove vidas? A ciência busca a resposta

Por que dizemos que gatos têm nove vidas? A ciência busca a resposta

Por que dizemos que gatos têm nove vidas? A ciência busca a resposta
Por que dizemos que gatos têm nove vidas? A ciência busca a resposta (Foto: Arjun MJ/Unsplash)

Gatos terem nove vidas está bem estabelecido na nossa sociedade, mas por quê? Uma teoria é que essa associação se originou no antigo Egito, onde os gatos eram reverenciados como criaturas divinas com poderes psíquicos ou sobrenaturais.

+Vídeo: gato luta contra coiote e sobrevive para contar a história
+Polícia é chamada para retirar cão gigante que se recusava a sair de loja nos EUA
+Cachorro chamado ‘Besta’ ataca e mata menino de 10 anos

Atum-Ra, um deus do sol, que assumiu uma forma felina quando visitou o submundo, deu vida a quatro deuses que, por sua vez, produziram outros quatro, conhecidos coletivamente como Enéade. Os egípcios consideravam Atum-Ra, o deus gato, como a personificação de nove vidas em uma forma.

Em outros lugares, o número nove é considerado imbuído de um significado especial, a trindade das trindades e o numeral final. Na China, acredita-se que seja um número de sorte, enquanto os numerólogos o associam ao perdão, compaixão e sucesso. A crença de que os gatos têm nove vidas não é universal, no entanto. Em alguns países de língua espanhola, eles têm sete, enquanto no folclore turco e árabe eles são ainda mais curtos, com apenas seis.

Capazes de sobreviver a quedas muito altas, os gatos desenvolveram pernas angulares e altamente musculosas, ideais para escalar, pular e absorver o impacto da aterrissagem, além de um sistema esquelético, que incluía trinta vértebras e nenhuma clavícula, que tornava sua coluna incrivelmente flexível, reduzindo o risco de danos aos seus ossos quando caem. Em comparação com sua área de superfície, seu peso corporal é baixo, um fator que ajuda a reduzir a velocidade em que eles descem, dando tempo extra para o reflexo de endireitamento entrar em ação.

Esses feitos surpreendentes de sobrevivência levaram à especulação sobre se os gatos eram especialmente adaptados para sobreviver a longas quedas. De acordo com pesquisadores, embora inicialmente as lesões dos gato aumentem dependendo da altura da queda, houve um ponto de inflexão em uma queda de cerca de sete andares. Depois disso, o número de lesões realmente diminuiu.

Os gatos têm uma velocidade terminal relativamente baixa de 60 mph, que atingem por volta da marca dos cinco andares… Depois disso, eles têm tempo para adotar um estado corporal mais relaxado, usando-o como um paraquedas”, explicaram os pesquisadores.

Quando os gatos começam a cair, eles ficam tensos e arqueiam as costas e confiam em suas vantagens fisiológicas para sobreviver. Isso prova uma estratégia admirável para quedas de curta distância, mas menos para quedas que são mais longas, mas não longas o suficiente para o gato atingir sua velocidade terminal, o ponto em que sua velocidade durante a queda permanece constante.



  • Back to top