Pesquisadores desenvolvem telefone para que cães ‘falem’ com seus donos - Pet é pop

Pesquisadores desenvolvem telefone para que cães ‘falem’ com seus donos

Pesquisadores desenvolvem telefone para que cães ‘falem’ com seus donos
Pesquisadores desenvolvem telefone para que cães ‘falem’ com seus donos
Pesquisadores desenvolvem telefone para que cães ‘falem’ com seus donos (Foto: Tadeusz Lakota/Unsplash)

Pesquisadores desenvolveram um “telefone” para que os cães possam fazer uma chamada de vídeo com seus donos, sugerindo como os animais de estimação estão aptos para lidar com a tecnologia.

Veja também:

+ Sem ter o que comer, cães matam um ao outro, e donas são denunciadas
+ Veterano de guerra perde seu cão em tiroteio e é presenteado com novo filhote
+ Conheça os ruídos caseiros que estimulam a ansiedade no seu cão

Apelidado de DogPhone, o aparelho é uma bola macia que, ao ser movida, envia um sinal para um laptop que inicia a chamada de vídeo. O dono pode escolher se deseja atender a chamada e quando desligar, enquanto também pode ligar para o seu animal de estimação – embora o cão tenha de mover a bola para atender.

“Toda essa tecnologia [existente] permite que você meça os passos de seus animais de estimação, ligue-os ou dê remotamente comida para seu cão, mas seu cão realmente não tem escolha”, disse a Dra. Ilyena Hirskyj-Douglas, da Universidade de Glasgow , autora principal da pesquisa usada para criar o dispositivo.

Ela acrescentou que dar aos animais escolha e controle melhora seu bem-estar. O DogPhone considera o dono e o cachorro e dá a este último um senso de agência, segundo ela. “Esta é apenas uma forma de demonstrar que os cães podem controlar a tecnologia”, ressaltou Hirskyj-Douglas. “Podemos construir tecnologia para cães.”

Embora uma mídia social canina, ou FaceBark, ainda não tenha sido criada, Hirskyj-Douglas disse que imagina um futuro onde os cães possam ligar uns para os outros. “Existem tantas possibilidades diferentes que você poderia ter”, sugeriu ela.

A pesquisa, publicada na Proceedings of the Association for Computing Machinery on Computer-Humaninteraction e apresentada na Conferência de Superfícies e Espaços Interativos da ACM 2021 em Łódź, na Polônia, revela como Hirskyj-Douglas e pesquisadores da Aalto University na Finlândia criaram o dispositivo.

O DogPhone passou por uma série de iterações para garantir que tinha o nível certo de sensibilidade ao movimento e elas foram testadas durante 16 dias por Hirskyj-Douglas e seu labrador preto de nove anos, Zack.

Um diário detalhando as ligações entre o dono e o animal de estimação sugere que o último nem sempre parecia saber o que estava fazendo – apesar de ter visto cinco vezes como o sistema funcionava. “O cachorro me ligou, mas não estava interessado em nossa ligação, em vez disso estava checando coisas em sua cama”, observou Hirskyj-Douglas durante o teste de uma iteração.

Outra entrada revela as armadilhas potenciais do DogPhone. “Cachorro andando por aí abanando e depois se deitando. Eu estava em uma reunião, então tive que desligar rapidamente”, revela outro registro.

A equipe diz que muitas das ligações feitas por Zack, que ficou sozinho por cerca de oito horas durante os dias de teste, parecem ter sido acidentes, embora alertem que pode ser simplesmente a perspectiva humana. “Por exemplo, quando o cão acionou o sistema com a bunda, isso pode ter sido deliberado e a maneira única do cão desencadear uma interação”, escrevem eles.

Hirskyj-Douglas disse que a tecnologia pode trazer benefícios para animais de estimação, em particular cães que lutam para se separarem de seus donos, embora ela tenha admitido que o dispositivo realmente lhe causou alguma ansiedade. “É apenas dar aos cães uma escolha”, disse ela. “Podemos não entender a escolha que eles estão fazendo. Mas isso não significa que eles não devam ter escolha.”



  • Back to top