Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets - Pet é pop

Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets

Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets
Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets
Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets (Foto: Jamie Street/Unsplash)

Pesquisadores das Universidades de York e Lincoln, no Reino Unido, descobriram quais foram os efeitos da pandemia em animais de estimação.

Veja também:

+ Estudo: cães e gatos melhoraram a saúde mental dos donos durante a pandemia
+ 12 sinais de que o seu cão está com problemas de pele
+ Quais são as 10 raças de cães mais elegantes? Pesquisa responde

Os cientistas entrevistaram 5.323 pessoas com animais de companhia, incluindo cavalos, répteis, pássaros e peixes, além de cães e gatos. Os resultados viram mais de 65% dos participantes relatando mudanças no comportamento de seus animais durante o confinamento em 2020.

Como as mudanças na socialização afetaram os animais

Para esta pesquisa, os participantes responderam a vários conjuntos de perguntas sobre seus animais, sua própria saúde mental e seus relacionamentos. Eles também foram incentivados a deixar comentários adicionais.

Cerca de um terço dos participantes da pesquisa, a maioria donos de cães e gatos, notou que seus animais os seguiam mais do que o normal. Outro participante da pesquisa observou como a falta de interação regular com outras pessoas e cães afetou seu labrador.

Em uma nota aparentemente mais positiva, a pesquisa também indicou que os gatos de estimação se tornaram mais afetuosos e relaxados durante a pandemia. Mais pesquisas podem ser necessárias, mas é interessante que essas respostas indicam que a pandemia afetou animais da mesma forma que afetou seres humanos.

A saúde mental dos donos

Os pesquisadores também analisaram a saúde mental dos donos de animais de estimação antes e durante a quarentena para ver se isso pode ter causado algumas das mudanças relatadas.

“Nossas descobertas indicam que uma saúde mental mais pobre pode aumentar a atenção dada ao animal de companhia. O envolvimento empático pode aumentar o relato de quaisquer mudanças, tanto positivas quanto negativas, no bem-estar animal e no comportamento”, disse Emily Shoesmith, cientista de saúde da Universidade de York.

O comportamentalista clínico animal da Universidade de Lincoln, Daniel Mills, também observou que nosso humor e comportamento podem encorajar ou desencorajar certos comportamentos em nossos animais de estimação.

“O estado de saúde mental do proprietário tem um efeito claro no bem-estar e no comportamento dos animais de companhia. É claramente algo que devemos considerar quando procuramos fazer o que é melhor para os animais que cuidamos”, explicou ele.

  • Back to top