Para recuperar seu gato, ex-militar invade abrigo de pets com arma de brinquedo e faz uma refém - Pet é pop

Para recuperar seu gato, ex-militar invade abrigo de pets com arma de brinquedo e faz uma refém

Para recuperar seu gato, ex-militar invade abrigo de pets com arma de brinquedo e faz uma refém
Para recuperar seu gato, ex-militar invade abrigo de pets com arma de brinquedo e faz uma refém
Para recuperar seu gato, ex-militar invade abrigo de pets com arma de brinquedo e faz uma refém (Foto: Anton Darius/Unsplash)

Um ex-militar se declarou culpado após invadir um abrigo de animais com um uniforme militar completo e com uma arma de brinquedo, fazendo uma refém e exigindo que seu gato perdido fosse devolvido a ele.

Veja também:

+ Deputada propõe a criação de ‘SUS’ e farmácia popular para pets
+ Homem é processado por supostamente ter jogado no mar cão preso a bloco de concreto
+ Imagens divertidas mostram cães “enlouquecidos” abocanhando petiscos

Tony Wittman, de 45 anos, já havia perdido seu gato, que ele supostamente dependia para tratar seu transtorno de estresse pós-traumático, e havia contratado o abrigo para encontrá-lo. Quando o abrigo, que estava a apenas 10 minutos de fechar, disse a ele que ele teria que marcar uma consulta para o dia seguinte, as coisas saíram de controle.

Ele colocou o equipamento tático e uma arma de brinquedo e invadiu o local às 22h20, em busca de seu felino perdido. À medida que o “roubo” avançava, ele pegou uma jovem funcionária como refém sob a mira da arma falsa, afirmando “se você fizer o que eu digo e me ouvir, não vou atirar em você”.

Tony forçou a mulher, que implorava por sua vida, para dentro e depois exigiu informações sobre onde os gatos são mantidos. A mulher foi então amarrada e deixada, sendo instruída a não se mexer e contar até 100 antes de chamar a polícia. Ele então fugiu do local e a mulher procurou ajuda.

O que é mais estranho é que ele voltou na manhã seguinte, apenas 12 horas depois do “assalto”, para comparecer à sua consulta e resgatar seu gato. Ele foi levado sob custódia e confessou, e está lá sem fiança desde janeiro, quando ocorreu o incidente.

Depois de comparecer ao tribunal, ele se declarou culpado de oito acusações, incluindo prisão falsa e roubo agravado. Ele retornará ao tribunal em fevereiro do ano que vem.

Tony supostamente sofre de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e depende do gato para tempos de crise. Depois de ser dispensado do exército por “falha em prestar um serviço eficiente”, ele lutou contra sua saúde mental e, como muitos ex-militares, usa um animal de terapia para ajudá-lo em tempos difíceis.

Não está claro quanto tempo ele enfrentará na prisão, mas ele não pediu fiança.

  • Back to top