Os pets são bons mesmo para a nossa saúde mental? A ciência questiona - Pet é pop

Os pets são bons mesmo para a nossa saúde mental? A ciência questiona

Os pets são bons mesmo para a nossa saúde mental? A ciência questiona
Os pets são bons mesmo para a nossa saúde mental? A ciência questiona
Os pets são bons mesmo para a nossa saúde mental? A ciência questiona (Foto: Yogendra Singh/Unsplash)

Durante a pandemia, houve um grande aumento na procura e adoção de animais de estimação e, embora muitos relatem que eles têm ajudado a sua saúde mental, as pesquisas sobre esses benefícios ainda parecem inconclusivas.

Veja também:

As evidências que temos até o momento mostram, sem dúvida, que interagir com animais pode ter uma série de benefícios para nossa saúde mental e física, embora não seja totalmente certo o que está causando esses benefícios.

Estudos têm mostrado, por exemplo, que possuir animais pode estimular a atividade física, especialmente para donos de cães e cavalos. A pesquisa também sugeriu que os animais de estimação podem ser benéficos para a saúde mental e o bem-estar devido ao apego ou companhia fornecida pelo animal.

Ainda assim, na outra extremidade do espectro, a pesquisa indica que os animais de estimação podem exacerbar os sintomas de saúde mental para alguns. Aumento da culpa e preocupação excessiva também foram mostrados, especialmente para aqueles que demonstram um forte apego aos seus animais de estimação.

Mas por que essas descobertas são tão inconclusivas?

Uma razão para isso está relacionada à forma como os estudos nessa área vêm sendo conduzidos. Muitos dos estudos que temos atualmente sobre este tópico se basearam em estudos observacionais (como pesquisas ou entrevistas) em vez de pesquisa de intervenção (como um ensaio clínico que divide os indivíduos em dois ou mais grupos, mas apenas aloca um tratamento ou intervenção para um dos grupos para ver o efeito).

Isso pode tornar difícil tirar conclusões confiáveis ​​sobre seus resultados. A tendência de publicar resultados positivos em vez de negativos (chamado de “viés de publicação”) também pode ter um impacto negativo nas percepções das pessoas.

Impacto da pandemia

A pandemia também mudou a forma como interagimos com nossos animais de estimação. Na Universidade de York, os co-autores, Dra. Elena Ratschen e Dra. Emily Shoesmith, realizaram uma grande pesquisa com 5.926 pessoas (5.323 proprietários de animais de estimação e 603 não proprietários) que investigou as relações entre humanos e animais durante o primeiro lockdown no Reino Unido. O estudo descobriu que quase 90 por cento dos donos de animais relataram que seus animais os ajudaram a lidar melhor emocionalmente durante o confinamento.

Ao mesmo tempo, foi relatado que os participantes que possuíam animais de estimação tinham pior saúde mental antes do lockdown em comparação com os que não possuíam pets, indicando potencialmente maior vulnerabilidade.

Mas os donos de animais mostraram menos deterioração em sua saúde mental e sentimentos de solidão durante o confinamento. Isso pode indicar que os animais de estimação têm um efeito “protetor” na saúde mental dos proprietários. Curiosamente, os sentimentos de proximidade dos proprietários com seu animal de estimação não variaram significativamente por espécie animal.

A crença generalizada de que ter um animal de estimação pode ajudar as pessoas a lidar com a pandemia pode ser a culpada por um grande aumento no roubo de animais de estimação.

A análise adicional dos resultados mostra que uma sensação de companheirismo e conexão, bem como distração de sentimentos de angústia, uma fonte de motivação quando se sente deprimido e as respostas intuitivas de um animal podem explicar por que eles foram amplamente benéficos para os proprietários durante o confinamento.

Mas o estudo também mostrou que a posse de animais de estimação durante a pandemia causou preocupações, incluindo preocupações sobre o acesso veterinário restrito, dificuldades econômicas e o que aconteceria com o animal se o dono ficasse doente.

Outras evidências

Outra pesquisa com 1.356 participantes também descobriu que os animais de estimação podem ter influenciado as decisões e o acesso aos cuidados de saúde que as pessoas tiveram durante a pandemia. Os pesquisadores descobriram que os participantes podem atrasar a procura de cuidados de saúde devido à preocupação com o bem-estar de seu animal de estimação ou se não conseguirem encontrar cuidados adequados para seu animal. Vários donos de animais também disseram que abririam mão de cuidados médicos para evitar a separação de seu animal de estimação.

Se possuir um animal de estimação beneficiou a saúde mental de uma pessoa durante a pandemia também depende das restrições em vigor. Por exemplo, se o tempo gasto ao ar livre e viajando mesmo em distâncias curtas forem restritos, isso pode causar preocupação para os donos de cães, pois eles podem não ser capazes de passear com o cachorro com a frequência ou o tempo que desejam. Os proprietários de cavalos também podem enfrentar desafios específicos ao cuidar e exercitar seus animais.

É importante ressaltar que a evidência não sugere que pessoas que atualmente não possuem (ou nunca tiveram) animais de estimação se beneficiariam em fazê-lo durante e após a pandemia. Esse é um ponto importante a ser destacado, pois a crença generalizada de que possuir um animal de estimação pode ajudar as pessoas a lidar com a pandemia pode ser a culpada por um aumento acentuado no roubo de animais de estimação e violência relacionada.

Também existem preocupações com o aumento do abandono de animais de estimação, por exemplo, se o proprietário se tornar incapaz de cuidar de seu animal de estimação por razões financeiras, ou se não tiver tempo para cuidar de seu animal de estimação após retornar ao trabalho. Portanto, ter um animal de estimação não é algo para ser considerado com esse intuito.

  • Back to top