O cão é o melhor amigo... da mulher, indica estudo - Pet é pop

O cão é o melhor amigo… da mulher, indica estudo

O cão é o melhor amigo... da mulher, indica estudo
O cão é o melhor amigo... da mulher, indica estudo
O cão é o melhor amigo… da mulher, indica estudo (Foto: Yama Zsuzsanna Márkus/Pixabay)

Há muitos anos, os cães são descritos como o “melhor amigo do homem”. No entanto, um novo estudo revelou que eles também são o “melhor amigo da mulher”.

Veja também:

O estudo, realizado pelos pesquisadores da Washington State University, descobriu um padrão nas sociedades tradicionais em que as mulheres se envolviam mais com os cães, ou seja, quando os humanos se tornaram mais úteis para os cachorros.

Nas sociedades tradicionais, que atuam como um espelho para a história humana inicial, quanto mais uma mulher está envolvida no cuidado de um cachorro, mais ele se torna “parte da família”, incluindo ter um nome e dormir na cama de seu dono, de acordo com a pesquisa.

“Descobrimos que os relacionamentos dos cães com as mulheres podem ter um impacto maior no vínculo humano-cão do que os relacionamentos com os homens”, disse o autor do estudo Jaime Chambers.

Embora os cães sejam os animais domesticados mais antigos, poucos estudos antropológicos enfocaram diretamente a relação humana com os caninos. Isso é parte do que levou a equipe a pesquisar no banco de dados Human Relations Area Files: uma extensa coleção de documentos etnográficos.

Chambers e colegas encontraram milhares de menções a cães em mais de 844 artigos escritos em 144 sociedades tradicionais de subsistência de todo o mundo. Olhar para essas culturas pode fornecer uma visão de como a relação homem-cão se desenvolveu, disse Chambers, pois eles dão uma visão sobre as primeiras sociedades humanas.

“Nossa sociedade moderna é como um ponto na linha do tempo da história humana”, disse Chambers, acrescentando que as relações humanos-cães pareciam diferentes no passado do que são nas sociedades modernas industrializadas.

Por meio de documentos sobre essas sociedades tradicionais, eles encontraram referências à utilidade ou utilidade dos cães para os humanos. Eles também encontraram evidências da “personalidade” dos cães, que é quando os cães são tratados como pessoas: recebem nomes, podem dormir em alguma cama e recebem sentimentos de luto de seus donos em sua morte.

A equipe descobriu um padrão nas sociedades tradicionais em que as mulheres se envolviam mais com os cães. Isso foi demonstrado por meio de um maior grau de afeto, ou seja, eles eram mais propensos a receber um nome ou dormir na cama de seus donos.

Outra tendência predominante envolvia o meio ambiente: quanto mais quente o clima geral, menos úteis os cães tendiam a ser para os humanos. “Em relação aos humanos, os cães não são particularmente eficientes em termos de energia”, disse Robert Quinlan, professor de antropologia da WSU e autor correspondente do artigo.

“A temperatura corporal deles é mais alta do que a dos humanos, e apenas um pouco de exercício pode fazer com que eles superaquecem em um dia quente”, acrescentou ele. “Vimos essa tendência de que eles tinham menos utilidade para os humanos em ambientes mais quentes”, com algumas culturas que adoram cães nos trópicos atuando como uma rara exceção à tendência.

Outra descoberta feita pela equipe foi que a caça também fortaleceu a relação entre humanos e cães. Essas culturas que caçam com cães valorizam seus caninos mais do que outras que não usam um cão para ajudar a rastrear a presa.

Eles eram mais elevados tanto na utilidade dos cães para os humanos quanto em sua “personalidade”. À medida que a sociedade começou a cultivar mais safras, criar gado e produzir alimentos, a cultura passou a valorizar menos a utilidade e mais a personalidade de um cão.

Essa descoberta parecia ir contra a percepção comum de cães pastores trabalhando em conjunto com humanos, mas Quinlan observou que em muitas culturas, cães pastores geralmente trabalham sozinhos, enquanto a caça requer uma cooperação mais intensa.

Chambers e Quinlan dizem que sua pesquisa acrescenta evidências à teoria de que cães e humanos “escolheram uns aos outros”em vez de humanos procurando filhotes de lobo para criar. “De qualquer forma, houve benefícios claros para os cães”, disse Chambers, acrescentando que “os cães estão em todo lugar que os humanos estão”.

“Se pensarmos que os cães são bem-sucedidos como espécie, se houver muitos, então eles foram capazes de prosperar. Eles se uniram a nós e nos seguiram por todo o mundo. Tem sido um relacionamento de muito sucesso”, finalizou ele.

Confira o estudo completo no Journal of Ethnobiology.

  • Back to top