Novo estudo ajuda donos a escolher a melhor ração para os cães - Pet é pop

Novo estudo ajuda donos a escolher a melhor ração para os cães

Novo estudo ajuda donos a escolher a melhor ração para os cães
Novo estudo ajuda donos a escolher a melhor ração para os cães
Novo estudo ajuda donos a escolher a melhor ração para os cães (Foto: Mat Coulton/Pixabay)

Como escolher a melhor ração para cães? Um novo estudo, publicado recentemente na Veterinary Medicine and Science, colocou os ácidos graxos ômega-3 para teste.

Veja também:

Empresa desenvolve ração vegana para cães
10 mitos e equívocos sobre ração caseira para cães
10 mitos e verdades sobre verme no coração, doença que pode matar seu cão

Os ácidos graxos ômega-3 são essenciais para a nutrição de animais de estimação, para garantir o crescimento normal e a prevenção de doenças. No entanto, nem todos os ácidos graxos ômega-3 são iguais.

O novo estudo comparou os efeitos dos ácidos graxos de cadeia curta (ácido alfa-linolênico) com os de cadeia longa (EPA e DHA) nas dietas de 20 Huskies do Alasca.

“Há uma grande conscientização e evidências sobre a importância dos ácidos graxos ômega-3 para o crescimento e a saúde caninos. No entanto, a diferença importante é que são os ômega-3 de cadeia longa que estão associados a benefícios para a saúde e não os ômega-3 de cadeia curta”, disse Tonje Elisabeth Dominguez, diretora da QRILL Specialty Animal Products.

“Isso significa que mesmo os mais exigentes compradores de rações podem não estar totalmente cientes da fonte e do tipo de ômega-3 que estão alimentando seus cães”, acrescenta ela.

O estudo avaliou 20 cães no total, divididos em dois grupos de teste, ao longo de 42 dias de experiência

Ao longo do estudo de seis semanas, os 20 Huskies (com idades entre um e seis anos) foram divididos aleatoriamente em dois grupos de teste. Um grupo recebeu um suplemento alimentar de ácidos graxos de cadeia curta (1068 mg de ácido alfa-linolênico na forma de óleo de linhaça), enquanto o outro grupo recebeu um suplemento de ácidos graxos de cadeia longa (1155 mg EPA/DHA, na forma de uma mistura de óleo de krill).

Os cães foram examinados por um veterinário no início do estudo e, nas semanas três e seis, foram coletadas amostras de sangue para análise. Os pesquisadores compararam os efeitos do óleo de linhaça com o óleo de krill em cães, para determinar qual suplemento teve o maior impacto no índice ômega-3, que é um indicador da quantidade de ácidos graxos promotores da saúde presentes nas células sanguíneas dos cães.

Os resultados revelam a importância do ômega-3 de cadeia longa na dieta canina
  • 1ª semana – Os 20 Huskies possuíam níveis semelhantes de Índice Ômega-3 no início do estudo.
  • 3ª semana – Os 10 Huskies consumindo o óleo de krill em sua alimentação exibiram níveis significativamente mais elevados de Índice Ômega-3, em comparação com a linha de base, enquanto os 10 Huskies consumindo óleo de linhaça mostraram um declínio significativo em comparação com a linha de base.
  • 6ª semana – Os níveis do Índice Ômega-3 permaneceram significativamente elevados nos Huskies consumindo o óleo de krill, enquanto os 10 Huskies consumindo o suplemento de óleo de linhaça continuaram a diminuir os níveis do Índice Ômega-3 após a marca de três semanas. Eventualmente, o grupo do óleo de krill aumentou seu Índice Ômega-3 em 62% da linha de base, enquanto o grupo de óleo de linhaça diminuiu 40%.

“Com base neste estudo, é evidente que apenas os cães que receberam o suplemento de ácido graxo de cadeia longa, na forma de óleo de krill, tiveram um aumento significativo em seus níveis de EPA e DHA. Isso foi demonstrado pelo aumento nos níveis de Índice Ômega-3 deste grupo, que reforça as evidências anteriores de que os ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa são muito mais eficazes para garantir a saúde geral dos cães”, afirma Dominguez.

Os autores deste estudo concluíram que mais atenção deve ser direcionada ao tipo de fontes de gordura que são usadas como suplementos alimentares ou em formulações de dietas para cães. Isso é necessário para garantir que uma quantidade significativa de ácidos graxos de cadeia longa, promotores da saúde, de fontes marinhas, estejam presentes na dieta canina.

Confira o estudo completo aqui.

  • Back to top