Mulher e seus três cães se deslocam em cadeira de rodas - Pet é pop

Mulher e seus três cães se deslocam em cadeira de rodas

Mulher e seus três cães se deslocam em cadeira de rodas
Mulher e seus três cães se deslocam em cadeira de rodas
Mulher e seus três cães se deslocam em cadeira de rodas (Foto: Reprodução/Instagram)

Mary Garland, que sofre de artrite desde os nove anos de idade, adota cães com deficiência desde 2014. Ela usa uma cadeira de rodas e tem três cães que também são deficientes físicos.

Veja também:

+ Conheça Paçoca, a cadela que ajuda atleta da seleção de rúgbi sobre cadeira de rodas
+ Cachorro persegue ambulância e fica na porta do hospital esperando o dono doente
+ Cães-guia são destaque em nova coleção de emojis apresentada pela Apple

Ela tem gerado fundos para animais de estimação necessitados em seu grupo no Facebook, “Ajude animais deficientes físicos”, que até agora arrecadou cerca de £ 3.000 (aproximadamente R$ 21 mil). Esse dinheiro ajudou oito cães, incluindo cadeiras de rodas para eles, cobertura de despesas com sessões de hidroterapia e contas veterinárias.

Apesar de terem sofrido em seus passados, todos os cachorros de Mary têm gosto pela vida e grandes personalidades, como mostra um vídeo recente que Mary compartilhou. Seus outros cães incluem o cão de resgate Aaron, uma mistura de cães pastores cujo dono anterior o jogou de uma varanda, bem como Biddy, a Chihuahua surda.

Aaron, a Sheepdog mix, who prefers solo walks
Aaron, uma mistura de cães pastores, que ama caminhadas (Foto: Reprodução)

Batizado em homenagem ao protagonista fictício de 101 dálmatas, Pongo é um Spitz japonês anteriormente chamado de Ping Pong, que foi resgatado de uma fazenda de carne na Coréia. Cheeky Foxy, entretanto, foi adotado por Mary após ser atropelado na Romênia e é de raça indefinida.

“As pessoas sempre dizem ela é Chihuahua, um Corgi ou um Jack Russell… Digo que ela é apenas Foxy. Ela absolutamente ama a vida e ama a todos. Todo mundo a ama também, eles estão sempre parando”, disse Mary ao TeamDogs.

Cute Foxy in bed
Foxy curtindo sua caminha (Foto: Reprodução)

Apesar da natureza espirituosa dos cães e da idade relativamente jovem, Mary já recebeu críticas de estranhos que consideram “cruel” manter vivos os animais deficientes. “Eu expliquei a eles que não queria um cachorro com dor – isso é uma coisa diferente. Mas eles não estão com dor alguma. Tudo bem, eles são incontinentes, mas ainda estão vivendo e amando a vida.”

Mary também encontrou resistência ao tentar adotar, devido à sua deficiência. “Eles estavam dizendo que eu não aguentaria. Mas eles não estavam ouvindo que, se eu não conseguir lidar com isso, vou buscar outra pessoa para ajudar. Certifico-me de que tudo o que é necessário ainda está feito”, afirmou.

Como Mary explicou, embora possa ser “muito assustador” inicialmente, cuidar de um cão deficiente é mais fácil quando você se acostuma com isso e vale a pena. “É só entrar na sua rotina no começo. Depois de entrar em uma rotina, isso se torna uma segunda natureza, torna-se outro cachorro e parte de sua família. E também você está dando uma chance aos animais com pouquíssima chance”, concluiu ela.

Mary out with Pongo and Foxy, who enjoy meeting other doggies
Mary com seus cães, Pongo e Foxy, conhecendo outros cães na rua (Foto: Reprodução)
  • Back to top