Mulher cria santuário para gatos de rua em Cuba - Pet é pop

Mulher cria santuário para gatos de rua em Cuba

Mulher cria santuário para gatos de rua em Cuba
Mulher cria santuário para gatos de rua em Cuba
Mulher cria santuário para gatos de rua em Cuba (Foto: Reprodução)

Elizabeth Meade Esperon, de 24 anos, acolhe gatos de rua e os leva para sua casa, que foi transformada em um santuário temporário para animais perdidos.

Veja também:

+ Santuário oferece abrigo para mais de 1.000 gatos vítimas da guerra na Síria
+ Proteja seu cão: tudo o que você precisa saber sobre a vacina antirrábica
+ Mulher monta abrigo para cuidar de gatos velhos, doentes e à beira da morte

Em entrevista ao Havana Times, a jovem explicou que começou sendo voluntária em uma das principais organizações de defesa dos animais em Havana, mas que decidiu organizar seu próprio refúgio de felinos, embora não negue ajuda aos cães.

Hoje, sua organização conta com mais de 400 animais adotados desde 2019, e algumas centenas de outros faleceram, infelizmente. Ela chamou a organização de Adopciones por Amor (Adoções por Amor).

Para ter mais experiência no assunto, ela estudou reabilitação física na universidade, antes de ganhar experiência no cuidado de gatos e, em seguida, fez um curso de veterinária para trabalhadores.

“Meus animais precisaram de mim para passar esse conhecimento. Assistência médica para animais é muito cara e não tenho tempo para levar 40 animais ao veterinário, e nem sempre um veterinário pode vir à minha casa”, explicou ela.

Elizabeth gosta de pesquisar o tempo todo, com foco especial nos assuntos que sente que precisa saber. Apesar de não poder dedicar muito tempo aos estudos no dia-a-dia, ela é capaz de fazer o suficiente para esclarecer suas dúvidas.

De acordo com os colaboradores de Elizabeth, sua tolerância e empatia a tornam uma líder extraordinária. “Acho que meu poder de convicção também ajuda, e sou capaz de trazer à tona o melhor de cada um dos meus voluntários, dependendo de sua profissão, tempo e situação de vida. Estou ciente de que nem todos podem fazer tanto quanto eu. Ajuda econômica é o que menos recebo, mas recebo muitos voluntários que vêm com transporte, doações, doações de alimentos e para cuidar dos gatinhos”, disse ela.

No início, Elizabeth não dava muita importância à castração e só os programava de vez em quando. Porém, por ter um projeto autofinanciado, ela entendeu que a castração era essencial. Apenas no segundo semestre de 2020, a Adopciones por Amor realizou 1080 castrações. “Isso foi no meio da pandemia de COVID-19, então você pode imaginar que teria sido o dobro antes.”

A pior coisa que aconteceu a ela como voluntária foi ver muitos gatos resgatados morrerem, especialmente gatinhos pequenos. “É doloroso ver animais que não têm como ser salvos, mesmo que você tenha feito tudo o que podia por eles”, lamentou. No entanto, ela não chora mais como antes. Às vezes, as novas pessoas que ela conhece ficam surpresas com a forma como ela encara essas mortes. Ela explica que “você fica mais forte”.

Embora os passos do governo em questões de proteção animal tenham sido fracos e lentos, as ONGs que têm o mesmo propósito aperfeiçoaram seu trabalho e incentivaram o respeito por eles. “É muito importante aceitar a forma de trabalho dos outros colegas e sempre ajudar uns aos outros”, justificou Elizabeth.

  • Back to top