Meu cão me ama de verdade? Ciência ensina a encontrar a resposta - Pet é pop

Meu cão me ama de verdade? Ciência ensina a encontrar a resposta

Meu cão me ama de verdade? Ciência ensina a encontrar a resposta

Meu cão me ama de verdade? Ciência ensina a encontrar a resposta
Meu cão me ama de verdade? Ciência ensina a encontrar a resposta (Foto: Eric Ward/Unsplash)

Se você é um ‘pai’ ou ‘mãe’ de pet, já deve ter se perguntando se o seu companheiro de quatro patas o ama. Quer dizer, os cães podem realmente amar seus humanos como nós os amamos? Acontece que perguntas como essas têm uma rica história científica, com uma conclusão emocionante que pode mudar para sempre nossa relação com os cães.

+Comum em gatos, gengivite causa problemas que vão muito além da boca
+Vídeo fofo: cãozinho cobre ninhada de gatos e derrete corações na internet
+Vídeo: gato faz uma série de saltos ornamentais para tentar pegar brinquedo

A história dos cães e das emoções começa na era vitoriana, quando a questão desencadeou uma das primeiras guerras culturais da história, em que discutia se emoções como o amor eram exclusivamente humanas ou comuns a muitos animais, particularmente mamíferos sociais, como cães.

De um lado estavam aqueles que se apoiavam nas ideias de Charles Darwin sobre como os mamíferos (incluindo os humanos) compartilham ancestrais comuns. Eles argumentaram que os cães eram capazes de muitas (ou todas) as emoções que sentimos, diferindo apenas em grau. Do outro lado estavam os cientistas médicos que viam os cães como pouco mais do que autômatos, sujeitos semelhantes a máquinas aceitáveis ​​para experimentos médicos.

É claro que, muitos cientistas de animais na era moderna permanecem reticentes sobre o uso do termo “amor”, porque o conceito é muito subjetivo. Por isso que muitos pesquisadores preferem a palavra “apego” quando se referem ao vínculo que os cães têm conosco.

O apego é um aspecto particular e mensurável do amor, especificamente para a garantia de que um indivíduo pode ganhar com a presença de um outro amado”, explica o Dr. Clive Wynne, cientista comportamental canino e autor de ‘Dog Is Love’. “É particularmente falado no forte vínculo entre pais e filhos, e isso é um bom modelo para o relacionamento entre cães e pessoas”, comentou.

Como saber se os cães nos amam?

Os cães realmente parecem se apegar, psicologicamente, a seus companheiros humanos de uma maneira que reconhecemos. Em testes que envolvem “estranhos” entrando em uma sala que já contém um cachorro e seu companheiro humano, por exemplo, os cães reagem de maneira amplamente comparável às crianças humanas. Em ambientes incertos, eles passam mais tempo perto de seus companheiros humanos e, quando deixados sozinhos com estranhos, os cães passam mais tempo perto da porta.

Os cães domésticos parecem naturalmente se apegar aos seus companheiros humanos de outras maneiras. Em uma configuração experimental em que cães e lobos criados à mão receberam a escolha de comida ou de seu cuidador, muitos cães, além de investigar a comida, também procuraram seus cuidadores em busca de carinho e atenção. Lobos, previsivelmente, pensavam apenas em seus estômagos.

Em outro experimento, em que cuidadores humanos fingiram estar presos em uma caixa, seus cães mostraram sinais de angústia, chorando, choramingando e batendo na caixa para ajudar o cuidador a escapar. “Os cães realmente parecem admirar seus humanos de uma maneira semelhante ao amor entre filhos e pais”, acrescenta Wynne.

Mesmo os mecanismos fisiológicos, hormônios cerebrais e neurotransmissores que controlam esses anexos parecem comparáveis ​​entre humanos e cães. O mais proeminente é o papel da oxitocina, uma molécula associada a estados emocionais prazerosos em mamíferos. Os cães têm picos de ocitocina quando se apegam a outros cães, mas, crucialmente, eles também têm os mesmos picos de ocitocina em torno dos humanos. Na verdade, quando os cães e seus companheiros humanos olham nos olhos um do outro, os níveis de oxitocina em ambas as espécies aumentam drasticamente.

A conclusão? É amor… ou algo próximo. É apego, o mesmo que conhecemos. Mas, se os cães sentem as coisas como nós, há mais responsabilidade sobre nós para melhorar suas vidas? “Talvez seja hora de repensar nosso relacionamento e deixar de nos considerarmos como donos?” argumenta Holly Root-Gutteridge, pesquisadora de pós-doutorado em cães da Universidade de Lincoln. “Nós protegemos sua saúde física, por que não sua saúde emocional também?”, disse.

Reconhecer a capacidade dos animais de experimentar sentimentos significa que, moralmente, devemos atender às necessidades de bem-estar desses animais quando estão sob cuidados humanos”, concorda Sean Wensley, veterinário sênior e autor de ‘Through A Vet’s Eyes’. “À medida que nossa compreensão científica dessas necessidades cresce, podemos, na prática, adaptar melhor nossos cuidados para garantir que as necessidades físicas e emocionais de nossos cães sejam atendidas”, concluiu.



  • Back to top