Janeiro Branco: saiba como cuidar da saúde mental do seu pet - Pet é pop

Janeiro Branco: saiba como cuidar da saúde mental do seu pet

Janeiro Branco: saiba como cuidar da saúde mental do seu pet
Janeiro Branco: saiba como cuidar da saúde mental do seu pet
Janeiro Branco: saiba como cuidar da saúde mental do seu pet (Foto: Mia Anderson/Unsplash)

Problemas de comportamento, ansiedade, fobias e depressão são problemas que podem acometer os pets com certa frequência, especialmente aqueles que não contam com atividades físicas e mentais de forma adequada.

Veja também:

+ ‘Superman’ Henry Cavill diz que preservou a saúde mental graças a seu cão
+ Fotos: cadela pastora alemã dá à luz ninhada com 16 candidatos a cão-guia
+ Gato camuflado em foto enlouquece a internet; você consegue encontrá-lo?

Durante o primeiro mês do ano, acontece o Janeiro Branco, data voltada ao bem-estar e saúde mental de humanos e animais. A rotina do tutor pode influenciar muito na qualidade de vida do pet, como aponta um estudo realizado pela Universidade Federal Fluminense.

A pesquisa revelou que 55% dos cães de apartamento sofrem com a Síndrome de Ansiedade de Separação, um dos problemas psicológicos que mais acometem os pets e que pode ser agravada com a volta gradual ao trabalho, com o avanço da terceira dose da vacinação contra a Covid-19.

De acordo com a pesquisa, 53% dos cães latem excessivamente, 46% possuem comportamentos destrutivos e 34% apresentam quadros depressivos. Pensando nisso, a Petlove elencou dicas de cuidados e alertas para a garantia do bem-estar animal. Confira:

Fique atento aos sinais!

Cansaço, apatia, falta de apetite, lambedura, latidos e miados em excesso podem indicar que algo não vai bem. Se o pet destrói objetos da casa, arranha as paredes, late sem parar ou faz xixi ou cocô onde não deve enquanto você está fora de casa, pode ser que ele sofra de ansiedade de separação, que acontece quando o cachorro não sabe lidar com a ausência dos humanos e com a falta de atividades e interação ao longo do dia.

Situações traumáticas, mudanças de ambiente e incertezas em sua rotina também podem afetar a saúde mental do pet. Por isso, é essencial que os tutores tomem decisões que pensem no animal e, idealmente, procurem a expertise de um médico-veterinário comportamentalista durante os períodos de transição. 

Dicas de cuidado

No caso da ansiedade, existem algumas formas de fazer com que o animal não se sinta ansioso. É importante, por exemplo, ao adotar um pet, pensar na sua disponibilidade de atenção a ele, evitando deixá-lo muito tempo sozinho.

Outro fator, é que o filhote fique o suficiente com sua mãe e ninhada. A separação precoce pode gerar problemas futuros de ansiedade.

É essencial que o pet tenha uma rotina de atividade física, com passeios e brincadeiras diárias. O enriquecimento ambiental também permite que o pet se sinta mais confortável, com locais aconchegantes e brinquedos que prendam a atenção

No caso da mudança de rotina, é preciso fazer com que o pet se acostume com a ausência dos humanos, oferecendo diversas atividades para ele se ocupe neste período. Outra questão importante, é que deve-se evitar fazer muita festa quando chegar em casa, pois o animal pode associar a chegada com um momento que ele deva esperar, gerando ansiedade. Dizer tchau e parecer triste no momento de ir, também favorecem a ansiedade. Deve-se tratar chegadas e partidas como algo comum na vida do animal.

  • Back to top