Gatos viram esculturas e se espalham por Paris - Pet é pop

Gatos viram esculturas e se espalham por Paris

Gatos viram esculturas e se espalham por Paris
Gatos viram esculturas e se espalham por Paris
Gatos viram esculturas e se espalham por Paris (Foto: Lisa Louis/DW)

O artista belga Philippe Geluck criou várias esculturas de gatos e as espalhou por Paris. Cada uma das obras possui uma explicação. Confira!

Veja também:

Gracioso como um gato

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

O gato sou eu, apenas em uma versão rechonchuda. Este é leve como uma pena e, no entanto, pesa uma tonelada, literalmente”, disse Philippe Geluck ao site DW.

O artista belga contou que esta estátua foi particularmente difícil de criar. “Normalmente escondo a parte inferior do corpo do meu gato sob um casaco, mas as pernas deste aqui tinham que ser muito bem definidas”, afirmou.

Deixado na chuva: reflexões sobre a alma belga

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

“Esta estátua é a encarnação da Bélgica”, disse ele. “Temos tudo de que precisamos: um clima agradável, muitos recursos e uma rica herança. E, no entanto, desperdiçamos grandes quantidades de energia brigando entre nós, falantes de francês, flamengo e alemão.”

E assim os belgas não conseguem escapar da chuva constante que eles próprios criam, apesar de terem guarda-chuvas. No mínimo, eles são modestos e têm senso de humor.

Vingança maldosa

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

“Pela primeira vez, um carro é atropelado por um gato, e não o contrário. Ultimamente, vários veículos de todos os tipos estão sob o domínio do gato”, explicou o artista belga, com uma pitada de humor.

“A violência nas estradas contra gatos inocentes tem que acabar”, disse ele. Então, agora, muitos carros, abandonados às pressas por seus motoristas, têm que temer por suas vidas.

“Catlas encolheu os ombros”

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

Na mitologia grega, o titã Atlas teve que sustentar os céus celestiais. O gato de Geluck tem que carregar nosso mundo neste reino, cheio de lixo plástico. Uma carga e tanto, mesmo para um gato que pesa uma tonelada.

A partir de junho, as estátuas vão primeiro viajar para outras cidades francesas, depois para Itália, Suíça e Luxemburgo. Em 2024, eles chegarão ao seu destino final no próximo museu do gato em Bruxelas de Geluck.

O vencedor fica com tudo

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

Cada gato pode ser um vencedor, até mesmo as criaturas obesas de Geluck. Mas a questão sempre é: quem é seu concorrente? A cidade de Paris não teve que pagar por esta exposição.

O artista Geluck financiou suas estátuas vendendo-as a colecionadores com antecedência. “Cada gato custa € 300 mil (pouco mais de R$ 2 milhões), isso é apenas € 300 por quilo!”, disse ele.

16 estátuas já foram compradas, outras quatro ainda estão em disputa.

Uma carga pesada

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

Muitas pessoas praticam todos os tipos de esportes para perder peso. Mas esse peso não parece diminuir para o gato. Pelo menos o gato consegue um endereço de prestígio em Paris, onde pode levantar peso e malhar. Geluck levou dois anos para desenhar, esculpir e moldar as esculturas de bronze de dois metros de altura, todas feitas na Bélgica.

O médico vai te ver agora

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

Vestido como um médico, parece até cuidar de passarinhos. “Sim, mas é preciso olhar para trás. Pronto, está segurando um garfo! Só está cuidando do pássaro para que ele possa comê-lo mais tarde”, explicou Geluck. “O gato é como nós humanos: primeiro, fazemos uma coisa, depois o oposto.”

Mais do que miau

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

“Este é meu gato favorito”, disse Geluck. “O escultor Auguste Rodin escolheu o caminho mais fácil; ele apenas inventou seu pensador. Inventei uma estátua que pode falar”, explicou.

Na verdade, os balões de fala iluminam esse gato com uma espécie de voz. Quando desafiado, Geluck aponta para uma estátua no telhado do museu Grand Palais, do outro lado da rua: “Está vendo? Aquela estátua ali não pode falar!”

Até a morte nos fazer arte

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

Esta escultura de gato em particular desempenha um grande papel na exposição de Geluck em Paris: “Eu queria homenagear meus amigos e colegas”, disse ele.

O artista se refere aos cartunistas da revista satírica Charlie Hebdo, mortos em um atentado terrorista em 2015. “Ainda estamos chorando por eles”, ressaltou Geluck. Os pássaros empoleirados nos lápis que mataram o gato ainda gorjeiam, mesmo diante da adversidade.

Além da passarela

Cat invasion in Paris: artist Phillippe Geluck's art hits the Champs-Elysées

As esculturas de gatos de Geluck o tornaram famoso em todo o mundo. Ele vendeu 14 milhões de cópias de seus álbuns de quadrinhos nos últimos 30 anos.

A maioria deles foi comprada em países de língua francesa. Ele também expôs em galerias como a Galerie Hubert & Breyne em Paris, que está realizando uma exposição de Geluck para acompanhar as obras mostradas na “passarela” dos Champs-Elysées até 5 de junho de 2021.

  • Back to top