Gatos reconhecem a voz dos donos, mas não estão nem aí, diz estudo - Pet é pop

Gatos reconhecem a voz dos donos, mas não estão nem aí, diz estudo

Gatos reconhecem a voz dos donos, mas não estão nem aí, diz estudo
Gatos reconhecem a voz dos donos, mas não estão nem aí, diz estudo
Gatos reconhecem a voz dos donos, mas não estão nem aí, diz estudo (Foto: Freepik)

De acordo com um novo estudo, os gatos até reconhecem a voz de seus donos, mas eles parecem não ligar muito para isso.

Veja também:

A pesquisa, realizada na Universidade de Tóquio, confirmou que, embora os gatos de estimação sejam mais do que capazes de reconhecer a voz de seu dono, eles optam por ignorá-los, por razões que talvez estejam enraizadas na história evolutiva do animal.

Realizado por Atsuko Saito e Kazutaka Shinozuka, o estudo testou vinte gatos domésticos em suas próprias casas, esperando até que o dono sumisse de vista e então reproduzindo as gravações de três estranhos chamando seus nomes, seguidos pelo dono, seguido por outro estranho.

Os pesquisadores então analisaram as respostas dos gatos a cada chamada medindo uma série de fatores, incluindo movimento da orelha, cauda e cabeça, vocalização, dilatação dos olhos e “deslocamento” – mudando suas patas para se mover.

Ao ouvirem seus nomes, eles exibiram um “comportamento de orientação” (movendo suas cabeças e ouvidos para localizar de onde o som vinha) e, embora eles mostrassem uma resposta maior às vozes de seus donos do que estranhos, eles se recusaram a se mover quando chamado por qualquer um dos voluntários.

“Esses resultados indicam que os gatos não respondem ativamente com comportamento comunicativo aos donos que os chamam de longe, embora possam distinguir as vozes de seus donos”, escreveram Saito e Shinozuka. “Esta relação gato-dono é diferente da relação com cães.”

O estudo, publicado pela Springer na revista Animal Cognition, sugere que a razão para o comportamento não responsivo dos gatos pode ser rastreada até a domesticação inicial da espécie, contrastando isso com a relação dos humanos com os cães.

Análises genéticas recentes revelaram que o ancestral comum do gato doméstico moderno foi o Felis silvestris, uma espécie de gato selvagem que teve o primeiro contato com os humanos há cerca de 9 mil anos. À medida que as sociedades primitivas desenvolveram a agricultura, esses gatos passaram a atacar os roedores que eram atraídos pelas reservas de grãos. Nas palavras dos autores do artigo, eles efetivamente “se domesticaram”.

“Historicamente, os gatos, ao contrário dos cães, não foram domesticados para obedecer às ordens dos humanos. Em vez disso, eles parecem tomar a iniciativa na interação humano-gato”. Isso contrasta com a história de cães e humanos, onde os primeiros foram criados por milhares de anos para responder a ordens e comandos. Os gatos, ao que parece, nunca precisaram aprender.

No entanto, é improvável que isso desanime os donos de gatos e o jornal observa que, embora “os cães sejam vistos por seus donos como sendo mais afetuosos que os gatos […] donos de cães e donos de gatos não diferem significativamente em seu nível de apego relatado para seus animais de estimação.”

O estudo conclui observando que “o aspecto comportamental dos gatos que faz com que seus donos se apeguem a eles ainda são indeterminados.”

  • Back to top