Gatos podem transmitir Covid-19, indica estudo - Pet é pop

Gatos podem transmitir Covid-19, indica estudo

Gatos podem transmitir Covid-19, indica estudo
Gatos podem transmitir Covid-19, indica estudo
Gatos podem transmitir Covid-19, indica estudo (Foto: Cintya Marisa/Unsplash)

De acordo com um novo estudo, os gatos domésticos podem desempenhar um papel na transmissão da síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARS-CoV-2), causador da Covid-19.

Veja também:

+ Saiba como proteger cães e gatos contra a Covid-19
+ Pesquisa revela as mudanças provocadas pela pandemia em nossos pets
+ Estudo: cães e gatos melhoraram a saúde mental dos donos durante a pandemia

Os pesquisadores da Holanda revisaram estudos que investigaram a transmissão gato-a-gato da SARS-CoV-2 experimentalmente ou em condições naturais em domicílios infectados.

Os dados coletados desses estudos indicaram que o número de reprodução (R0) do SARS-CoV-2 entre os animais foi significativamente maior do que 1, sugerindo que os gatos podem desempenhar um papel na transmissão e manutenção do vírus.

No entanto, as questões relativas ao risco de transmissão de humano para gato e de gato para humano ainda precisam ser respondidas, dizem os pesquisadores. “Mais dados sobre transmissão doméstica e dados sobre os níveis de vírus no ambiente ao redor dos gatos infectados e no ar exalado podem ser um passo para avaliar esses riscos”, escreveram eles.

Uma versão pré-impressa do artigo de pesquisa está disponível no servidor bioRxiv, enquanto o artigo passa pela revisão por pares.

O papel dos gatos na transmissão do SARS-CoV-2

O papel que os gatos podem desempenhar é de particular interesse, uma vez que vivem em contato próximo com humanos e frequentemente em contato com outros gatos.

Alguns dados experimentais e de campo mostraram que os gatos são suscetíveis à infecção por SARS-CoV-2, ocasionalmente exibem sinais clínicos leves e podem ser capazes de transmitir a infecção a outros gatos.

Os pesquisadores dizem que, ao avaliar o risco de transmissão, é importante estabelecer se a transmissão gato a gato pode ser sustentada. O R0 básico é a chave para responder a essa pergunta, pois se refere ao número médio de infecções secundárias que resultam da exposição a um indivíduo infectado.

“Quando o R0 é maior do que 1, pode-se esperar uma transmissão sustentada com alto risco de um grande surto e endemicidade, ao passo que quando o R0 é menor do que 1, a infecção tende a desaparecer”, justificaram os pesquisadores.

Outros parâmetros importantes para quantificar a transmissão são o período latente (tempo entre a infecção e o contágio) e a taxa de transmissão (o número de infecções de contato causadas por um indivíduo infeccioso por unidade de tempo).

Estudo

A equipe revisou estudos experimentais e observacionais publicados que descrevem a infecção e transmissão entre gatos por SARS-CoV-2.

Os dados de cinco estudos experimentais e oito observacionais foram recolhidos e analisados ​​para confirmar se esta transmissão pode ser sustentada e para fornecer estimativas de parâmetros de transmissão relevantes.

Quatro dos estudos experimentais avaliaram a transmissão por contato direto e um avaliou a transmissão indireta (gota). Todos os gatos foram inoculados por via intranasal com SARS-CoV-2 (doses ≥ 105 PFU [unidades formadoras de placas]) e a transmissão foi monitorada por medição longitudinal da eliminação do vírus em amostras nasais, fecais ou orofaríngeas.

Dos estudos observacionais, dados de 12 domicílios compartilhados por pessoas infectadas e pelo menos um gato infectado foram incluídos, e a incidência de infecção foi acompanhada longitudinalmente.

Resultados

Para todos os estudos experimentais, o período latente foi estimado em aproximadamente um dia, sem diferenças significativas observadas entre gatos inoculados e infectados por contato.

Os pesquisadores descobriram que o projeto experimental influenciou fortemente a taxa de transmissão estimada. O desenho utilizado em dois dos estudos levou à superestimação desse parâmetro e a erros-padrão significativos.

No entanto, eles descobriram que o design de transmissão de par usado em três dos estudos permitiu estimativas confiáveis ​​da taxa de transmissão e R0. Os resultados de um experimento avaliando a transmissão de gotículas e dois avaliando a transmissão direta confirmaram que o R0 foi significativamente maior do que 1. Quando os experimentos foram combinados, o R0 estimado foi 3,3, que foi semelhante a uma estimativa de 3,8 gerada para os estudos domiciliares.

“Para colocar isso em perspectiva, cenários em que ocorrem contatos entre gatos de rua e domésticos podem levar à persistência do vírus na população felina”, diz a equipe. As estimativas geradas para o período infeccioso e os níveis de disseminação do vírus também foram semelhantes quando os dados domiciliares e os dados experimentais foram usados.

O risco de transmissão gato-humano do SARS-CoV-2 pode ser alto

Dado que os gatos infectados liberam altos níveis de vírus e que a transmissão por gotículas é possível, o risco de transmissão de gato para humanos do SARS-CoV-2 pode não ser baixo e requer mais investigação, afirmam os cientistas.

“A avaliação experimental de, por exemplo, a probabilidade de transmissão por meio de um ambiente contaminado em torno de um gato infectado e as medições das concentrações de vírus no ar exalado de gatos infectados forneceriam mais informações para quantificar o risco de transmissão de gato para homem”, escreveram eles .

“Esses dados combinados com transmissão mais detalhada e dados ambientais de gatos domésticos infectados podem ajudar a quantificar ainda mais os riscos combinados de transmissão entre humanos e gatos”, concluiu a equipe.

  • Back to top