Gatos ‘invadem’ cemitério em Tóquio e aliviam o luto das pessoas - Pet é pop

Gatos ‘invadem’ cemitério em Tóquio e aliviam o luto das pessoas

Gatos ‘invadem’ cemitério em Tóquio e aliviam o luto das pessoas
Gatos ‘invadem’ cemitério em Tóquio e aliviam o luto das pessoas
Gatos ‘invadem’ cemitério em Tóquio e aliviam o luto das pessoas (Foto: Reprodução/Twitter)

Os enlutados em um cemitério em Tóquio estão sendo recebidos por um grupo de gatos que se tornaram adoráveis ​​cuidadores voluntários vagando pelo local.

Veja também:

+ 5 dicas para deixar o seu gato alegre; e saiba quando ele está triste
+ Fotos: veja gatos em uma série de situações bizarras, divertidas ou curiosas
+ Vídeo: gato gigante e hiper-realista ‘aterroriza’ bairro de Tóquio

Os curiosos felinos perdidos passam seus dias desfrutando de sonecas em túmulos, tomando banho de sol ou se refrescando à sombra de uma lápide. E devido à sua presença no Cemitério Yanaka, eles o tornaram um dos marcos mais famosos do bairro.

Os amantes de gatos frequentemente comentam como os animais podem ser uma grande fonte de conforto no local, frequentemente agindo por curiosidade e se aproximando dos humanos com uma pequena cutucada na cabeça ou se mexendo entre os tornozelos, tornando sua presença conhecida em situações frequentemente emocionais, de acordo com o site Mirror Online.

Image
(Foto: Reprodução/Twitter)

Os gatos são vistos em cemitérios ao redor do mundo há milhares de anos. Se olharmos para cerca de 5 mil anos atrás, os gatos eram continuamente representados nas práticas sociais e religiosas do antigo Egito, sendo retratados rotineiramente acompanhando humanos na vida após a morte.

Várias divindades egípcias antigas (deuses e deusas) foram retratadas com cabeças de gato, como Mafdet, que protegia contra cobras e escorpiões, Bastet, a deusa da proteção e Sekhmet, a deusa da guerra e da cura. A natureza protetora dos gatos é indicada no Livro dos Mortos, no qual um gato representa Rá, deus do sol.

A antiga relação entre gatos e humanos, mesmo na morte, transpareceu ainda mais nos últimos anos. Há dez anos, o cemitério de animais de estimação mais antigo do mundo começou a ser descoberto fora das muralhas de uma cidade romana, perto de um depósito de lixo no sudeste do Egito.

100 animais foram desenterrados lá, mas até então, não estava claro se os arqueólogos haviam descoberto um cemitério ou simplesmente uma “lixeira” para animais mortos. As descobertas originais foram publicadas em 2016 e só no início deste ano, nos primeiros meses de 2021, ficou claro que a descoberta era única.

Os arqueólogos descobriram o que agora é reconhecido como o cemitério de animais de estimação mais antigo do mundo em Berenice, no Egito. O cemitério de 2.000 anos era dedicado exclusivamente a gatos, cães e macacos, com apenas 600 animais sendo descobertos, 90 por cento dos quais eram gatos. Os pesquisadores acreditam que isso demonstra e reforça o vínculo entre humanos e gatos que remonta a milhares de anos.

Este é provavelmente o cemitério mais antigo desse tipo no mundo, de acordo com arqueólogos da Academia Polonesa de Ciências, que acreditam que o local estava em uso por volta de meados do século I a meados do século II dC.

  • Back to top