Gatos ficam mais calmos em casas com crianças autistas, diz estudo - Pet é pop

Gatos ficam mais calmos em casas com crianças autistas, diz estudo

Gatos ficam mais calmos em casas com crianças autistas, diz estudo
Gatos ficam mais calmos em casas com crianças autistas, diz estudo
Gatos ficam mais calmos em casas com crianças autistas, diz estudo (Foto: freepik)

De acordo com um novo estudo da Universidade de Missouri, além dos gatos ajudarem crianças autistas a reduzir o estresse e a ansiedade, esse relacionamento também é benéfico para os felinos.

Veja também:

+ Cientistas revelam como os gatos malhados ganham as listras na pelagem
+ 4 dicas para cuidar do seu pet no inverno
+ Cães e gatos estão sujeitos a sofrer com demência, indica estudo

“Não é apenas importante examinar como as famílias de crianças com autismo podem se beneficiar com esses maravilhosos animais de companhia, mas também se a relação é estressante ou onerosa para os gatos do abrigo que estão sendo adotados em um ambiente novo, talvez imprevisível”, disse Gretchen Carlisle, cientista pesquisador do Centro de Pesquisa para Interação Humano-Animal (ReCHAI) do MU College of Veterinary Medicine.

“Em nosso estudo, descobrimos que os gatos se aclimataram bem com suas novas famílias e tornaram-se significativamente menos estressados ​​com o tempo”, acrescentou ele.

As descobertas, publicadas na segunda-feira (6) na revista Frontiers in Veterinary Science, destacam os benefícios mútuos da interação humano-animal e constroem pesquisas anteriores da Universidade que descobriram que animais de estimação podem ajudar a reduzir o estresse e a ansiedade em crianças autistas e seus pais.

A equipe de pesquisadores monitoraram gatos de abrigo por 18 semanas após serem adotados por famílias do Missouri com pelo menos uma criança com autismo. Os gatos foram selecionados pela primeira vez usando o “Perfil de Temperamento Felino” para identificar gatos de abrigo que tinham um temperamento calmo e descontraído.

Depois que as famílias selecionaram um gato que passou na triagem, os pesquisadores fizeram visitas domiciliares para verificar os gatos 2-3 dias após a adoção e, em seguida, a cada seis semanas durante 18 semanas, para ver como eles se aclimataram com suas famílias recém-adotadas.

“O cortisol é uma medida de estresse que rastreamos através da coleta de amostras de fezes de gatos, e notamos uma diminuição significativa do cortisol ao longo do tempo”, disse Carlisle. “Os gatos também tendem a perder peso por não comerem se estiverem estressados, mas descobrimos que os gatos realmente ganharam um pouco de peso inicialmente após a adoção e, em seguida, mantiveram seu peso com o passar do tempo, então ambas as descobertas indicaram que os gatos se aclimataram bem.”

O especialista explicou que crianças com autismo podem ter problemas sensoriais ou de sensibilidade e problemas de comportamento ocasionais acompanhados de explosões repentinas. Por causa dessas preocupações, gatos de abrigo que foram testados quanto a um temperamento calmo e tranquilo podem aumentar a probabilidade de uma combinação melhor a longo prazo para as crianças e o gato.

“É crucial cuidar do bem-estar dos gatos do ponto de vista humanitário, e esta pesquisa também ajuda a equipe de abrigos de animais a superar os obstáculos financeiros e de gerenciamento que podem resultar quando os gatos são devolvidos aos abrigos se não houver um bom ajuste com a família adotada”, explicou Carlisle.

“Obviamente, os abrigos querem colocar todos os seus gatos em casas, mas algumas famílias podem exigir um ajuste mais específico, e o uso de medições objetivas baseadas em pesquisas para avaliar o temperamento pode ajudar a aumentar a probabilidade de combinações bem-sucedidas e duradouras. a esperança é que outros cientistas desenvolvam o trabalho de nosso estudo exploratório para que gatos de abrigo e famílias de crianças com autismo possam se beneficiar”, concluiu,

  • Back to top