Gatos ajudam no tratamento de crianças com autismo, indica estudo - Pet é pop

Gatos ajudam no tratamento de crianças com autismo, indica estudo

Gatos ajudam no tratamento de crianças com autismo, indica estudo
Gatos ajudam no tratamento de crianças com autismo, indica estudo
Gatos ajudam no tratamento de crianças com autismo, indica estudo (Foto: Ludmilla Kot/Pixabay)

De acordo com um novo estudo, crianças com autismo podem se beneficiar das relações com gatos, como aumentos de empatia e diminuição dos comportamentos problemáticos.

Veja também:

Estudo mostra que pets aliviam o estresse em famílias de crianças com autismo
Saiba por que os gatos são os melhores animais de estimação para crianças autistas
Crianças que crescem com cães se comportam melhor, diz estudo

Intitulado “Estudo exploratório da adoção de gatos em famílias de crianças com autismo: impacto nas habilidades sociais e na ansiedade das crianças”, o estudo foi publicado no Journal of Pediatric Nursing e anunciado pelo Human Animal Bond Research Institute (HABRI).

“Nosso estudo descobriu que crianças com TEA experimentaram aumentos significativos na habilidade social de empatia, diminuições significativas em comportamentos problemáticos, incluindo bullying e hiperatividade/desatenção, e também menos ansiedade de separação após a introdução de um gato de abrigo”, disse Gretchen Carlisle, cientista pesquisadora do Centro de Pesquisa para Interação Humano Animal (ReCHAI) da Universidade do Missouri.

“Pesquisas anteriores se concentraram nas interações de cães com crianças com TEA, mas os cães podem não oferecer o melhor ajuste para todas as crianças e suas famílias, especialmente devido à hipersensibilidade ao som que é comum entre crianças com TEA”, disse Carlisle.

“Esperamos que os resultados deste estudo ajudem a encorajar mais famílias a considerar a possibilidade de possuir um gato e ajudar mais gatos de abrigo a encontrar lares amorosos e merecedores”, acrescenta.

“Pela primeira vez, temos pesquisas científicas que mostram como os gatos podem ser benéficos para as famílias de crianças com TEA”, disse Steven Feldman, presidente da HABRI, principal financiador do estudo. “Selecionar um animal de estimação adequado é uma decisão importante. Famílias com crianças com TEA agora têm mais informações e mais opções e esperamos que isso também ajude mais gatos de abrigo a encontrarem bons lares.”

As descobertas do estudo, liderado por pesquisadores da Universidade do Missouri, demonstraram que crianças com um gato tinham melhor empatia e menos ansiedade de separação, bem como menos comportamentos problemáticos exibidos por menos externalização, bullying e hiperatividade/desatenção.

As crianças e os pais também sentiram fortes laços com seu novo gato quase imediatamente após a adoção e, apesar das responsabilidades envolvidas em cuidar de um gato, esses laços não diminuíram com o tempo.

Os pesquisadores concluíram que os gatos podem ser benéficos para algumas crianças com TEA, embora não necessariamente criem um fardo para seus pais.

Além da HABRI, o estudo foi financiado pela Winn Feline Foundation. Leia o artigo completo no Journal of Pediatric Nursing.

  • Back to top