Fotógrafo captura a forte ligação da comunidade LGBTQIA+ com seus pets sem raça definida - Pet é pop

Fotógrafo captura a forte ligação da comunidade LGBTQIA+ com seus pets sem raça definida

Fotógrafo captura a forte ligação da comunidade LGBTQIA+ com seus pets sem raça definida
Fotógrafo captura a forte ligação da comunidade LGBTQIA+ com seus pets sem raça definida
Fotógrafo captura a forte ligação da comunidade LGBTQIA+ com seus pets sem raça definida (Foto: Jack Jackson)

Um fotógrafo está explorando o quão poderoso o vínculo entre a comunidade LGBTQIA+ e seus cães de resgate pode ser.

Veja também:

+ Cães apoiam a Parada do Orgulho LGBT em várias partes do mundo
+ Pensando em adotar um gato sossegado? Conheça as raças mais amistosas
+ Bombeiros australianos sem camisa incendeiam a internet em novo calendário com pets

O projeto Don’t You Want Me (você não me quer, em inglês) está dando o pontapé inicial, olhando para o vínculo poderoso entre pessoas trans e queer e seus cães de resgate, por meio de fotos e visa compartilhar algumas das jornadas únicas que os humanos compartilham com seus pets e o impacto que isso teve em suas vidas à medida que eles fazem a transição e crescem juntos.

“O cão de resgate passou por essa situação difícil e uma vez que tem segurança ele se transforma”, disse Jack Jackson, co-fundador do projeto. “Todas essas ansiedades e medos, a agressão se foi, e é o mesmo com algumas das pessoas no projeto.”

Jackson mudou-se para o Canadá há 10 anos de uma pequena ilha no Canal da Mancha. Deixando sua carreira nas finanças, Jackson, que experimentou a transfobia como homem trans, estava desempregado antes de encontrar a fotografia e começar a fotografar cães, bem como a comunidade queer e trans.

“Eu não estava indo bem, foi um momento muito difícil e acabei completamente sozinho”, disse ele. Então, ele resgatou seu cachorro Jet. “A única coisa que me moveu foi Jet.”

Ele então começou a capturar outros cães de resgate e seus donos. “O projeto não é só saúde mental ou vulnerabilidade… é também histórias de transformação”, explicou Jackson. “É tudo uma questão de inspirar e dar esperança a alguns jovens.”

Um dos relacionamentos com o dono do animal capturado no projeto é Lucas Silveira e seu animal de estimação, Marcy. Marcy entrou em suavida há cinco anos, cerca de um ano após seudivórcio.

Lucas Silveira e Marcy (Foto: Jack Jackson)

Lucas, um cantor e compositor canadense, também é o primeiro homem trans a assinar um contrato com uma grande gravadora. E, segundo ele, Marcy o resgatou, não o contrário. Na época, uma velha amiga de Lucas que não conseguia mais ficar com o cachorro ligou para ele avisar que precisava dar Marcy para ele.

“Eu amo chihuahuas”, disse ele. “Eu estava passando por um momento muito, muito difícil… por muita depressão, não só por causa do meu divórcio, mas também a transição pode ser muito difícil às vezes. Tem sido uma jornada incrível desde então, meio que renascer e reencontrar aprenda quem eu sou.”

Silveira luta contra a agorafobia, um tipo de transtorno de ansiedade em que você teme lugares ou situações que possam causar pânico ou fazer você se sentir encurralado ou desamparado, o que aumentou para ele durante a pandemia. Sem Marcy, que foi certificado como cão de apoio emocional há dois meses, ele disse que não teria motivo para continuar.

Lucas Silveira e Marcy (Foto: Jack Jackson)

“Ela tem sido um apoio incrível para mim e uma salvação para ser honesto”, afirmou. “Se não fosse por ela, eu não teria um motivo para acordar de manhã, não teria um motivo para ter certeza de que estava cuidando de mim mesmo para que pudesse mantê-la segura.”

O projeto Don’t You Want Me pode ser encontrado online.



  • Back to top