Estudo mostra que é corretíssimo chamar de pai e mãe os donos de pets - Pet é pop

Estudo mostra que é corretíssimo chamar de pai e mãe os donos de pets

Estudo mostra que é corretíssimo chamar de pai e mãe os donos de pets
Estudo mostra que é corretíssimo chamar de pai e mãe os donos de pets
Estudo mostra que é corretíssimo chamar de pai e mãe os donos de pets (Foto: Chewy/Unsplash)

De acordo com algumas pesquisas, mais pessoas estão investindo tempo, dinheiro e atenção para seus animais de estimação, ao mesmo tempo que estão decidindo não ter filhos.

Veja também:

+ Novo estudo mostra as raças de cães mais obedientes e as mais arruaceiras
+ Pets estão entre os principais destruidores das noites de sexo no Reino Unido, diz estudo
+ Vídeo: gato esperto aprende a ganhar petiscos de um jeito bem canino

Segundo a antropóloga Shelly Volsche, esse tipo de tratamento “parental” com os animais de estimação é uma questão para a ciência evolucionária, afinal, as normas culturais e a biologia evolutiva sugerem que as pessoas devem se concentrar em criar os próprios filhos, não em animais de uma espécie completamente diferente.

Em uma pesquisa, ela entrevistou 28 donos de animais de estimação que não tinham filhos para entender melhor como eles se relacionam com os pets. Os indivíduos compartilharam que escolheram gatos e cães em vez de crianças. “Em muitos casos, o uso de termos relacionais pai-filho – chamando-se de “mãe” de um animal de estimação, por exemplo – era simplesmente uma abreviatura”, explicou ela.

Segundo a especialista, eles enfatizaram o cumprimento das necessidades específicas de seus cães e gatos. Por exemplo, eles podem satisfazer a necessidade do animal alimentando-o com refeições usando um quebra cabeça de comida, enquanto a maioria das crianças se alimenta à mesa.

Esses “pais de pet” reconheceram as diferenças de nutrição, socialização e aprendizagem dos animais em relação às crianças. Ou seja, eles não estavam substituindo crianças humanas por “bebês peludos”, tratando-as como iguais.

Outros pesquisadores encontraram conexões semelhantes no passado, mostrando que os donos de animais de estimação sem filhos percebem que seus companheiros peludos são indivíduos pensantes e emocionais.

“Essa maneira de entender a mente do animal ajuda a levar ao desenvolvimento de uma identidade parental em relação aos animais de companhia. Em outros casos, indivíduos inseguros descobrem que sua necessidade de alimentação é suficientemente satisfeita cuidando de animais de estimação, consolidando suas decisões de fertilidade para permanecerem livres de filhos”, acrescentou Shelly.

Mas, essas descobertas ainda não respondem se as pessoas que escolhem animais de estimação em vez de crianças estão realmente cuidando de seus animais de estimação em uma relação paternal.

Segundo a antropóloga evolucionária Sarah Hrdy, os humanos são criadores cooperativos. Ou seja, realmente está em nosso DNA e em nossa história ancestral ajudar a cuidar de descendentes que não são nossos. Antropólogos e biólogos chamam esse traço de aloparentalidade.

“É uma adaptação evolutiva que ajudou os seres humanos que criaram filhos de forma cooperativa a sobreviver. Para os primeiros humanos, esse ambiente antigo era provavelmente composto de sociedades pequenas e forrageadoras, nas quais algumas pessoas trocavam os cuidados infantis por comida e outros recursos”, explicou Shelly.

Segundo ela, essa é a história evolutiva que explica a criação de animais de estimação. “Se as pessoas evoluíram para aloparentes, e nosso ambiente agora está tornando o cuidar de crianças mais difícil ou menos atraente para alguns, faz sentido que as pessoas aloparentes outras espécies entrem em suas casas”, disse. “Animais de companhia aloparentais podem oferecer uma maneira de satisfazer a necessidade evoluída de criação, ao mesmo tempo que reduzem o investimento de tempo, dinheiro e energia emocional em comparação com a criação de filhos.”

Shelly concluiu em uma outra pesquisa que, ao contrário de donos de animais com filhos, os não pais eram mais propensos a ser os responsáveis ​​pelos cuidados gerais do animal, investindo tempo, dinheiro e energia emocional diretamente em seus animais de estimação.

“É essa diferença, combinada com a evidência de minha pesquisa anterior de que esses indivíduos atendem às necessidades específicas da espécie dos cães e gatos sob seus cuidados, que sugere que isso é, na verdade, a paternidade de animais de estimação. Embora os detalhes possam parecer bem diferentes – assistir a aulas de treinamento em vez de atividades escolares ou fornecer passeios olfativos para cães em vez de livros de colorir para crianças – ambas as práticas cumprem a mesma função evoluída. Seja criança ou animal de estimação, as pessoas estão atendendo à mesma necessidade evoluída de cuidar, ensinar e amar um outro senciente.”



  • Back to top