Estudo gigantesco indica que, provavelmente, você alimenta o seu cão do jeito errado - Pet é pop

Estudo gigantesco indica que, provavelmente, você alimenta o seu cão do jeito errado

Estudo gigantesco indica que, provavelmente, você alimenta o seu cão do jeito errado
Estudo gigantesco indica que, provavelmente, você alimenta o seu cão do jeito errado
Estudo gigantesco indica que, provavelmente, você alimenta o seu cão do jeito errado (Foto: Ayla Verschueren/Unsplash)

De acordo com um estudo que analisa o envelhecimento canino, a maneira como alimentamos nossos cães pode estar errada. A pesquisa, publicada na revista GeroScience, revelou aparentes ligações entre a frequência de alimentação e a saúde canina.

Veja também:

+ Cão raro da Patagônia é o parente mais próximo dos pastores originais, indica estudo
+ 4 dicas para ajudar o seu pet a perder peso e dar adeus à obesidade
+ Saiba o que fazer para que seu cão deixe de fazer cocô em qualquer canto da casa

Os pesquisadores Dog Aging Project avaliaram 10.000 cães e descobriram que cães adultos que são alimentados apenas uma vez por dia tendem a pontuar significativamente melhor em vários indicadores de saúde, em comparação com cães que são alimentados com mais frequência.

“Controlando por sexo, idade, raça e outros fatores de confusão potenciais, descobrimos que os cães alimentados uma vez ao dia, em vez de mais frequentemente, apresentaram pontuações médias mais baixas em uma escala de disfunção cognitiva e menores chances de ter problemas gastrointestinais, dentários, ortopédicos, renais/urinários, e distúrbios do fígado/pâncreas”, explicou a equipe de pesquisa, liderada pela primeira autora e pesquisadora de saúde canina Emily Bray, da Universidade do Arizona.

As descobertas sugerem que os tipos de benefícios aparentemente fornecidos pela alimentação com restrição de tempo, principalmente vistos em experimentos de laboratório envolvendo roedores até o momento, também podem se estender aos cães de companhia.

“Não estávamos confiantes de que veríamos diferenças na saúde ou cognição dos cães com base na frequência de alimentação”, contou a autora sênior e bioestatística Kathleen Kerr, da Universidade de Washington, quando os resultados preliminares foram anunciados em dezembro. “Acho que ficaríamos animados ao ver uma associação entre a frequência alimentar e a saúde em apenas um domínio. Fiquei surpreso ao ver associações em tantos domínios.”

Embora uma frequência de alimentação de uma refeição por dia tenha sido associada a melhores resultados para cães em algumas áreas, em outros domínios não foi tão claro. As medições de risco de doença em termos de saúde cardíaca, cutânea e neurológica, bem como a incidência de câncer, não mostraram efeitos estatisticamente significativos.

Os pesquisadores ainda apontaram uma série de limitações a serem consideradas no estudo. Todos os dados de alimentação foram auto-relatados pelos donos de cães, o que significa que estão sujeitos a erros em sua coleta e interpretação, e o estudo não foi capaz de separar a possível influência da restrição calórica (que não foi medida no estudo) de frequência de alimentação.

No entanto, apesar das limitações, a equipe diz que este é o maior estudo até hoje sobre a frequência de alimentação realizado em cães de companhia e, segundo os pesquisadores, há claramente algo acontecendo que sugere que alimentar seu cão apenas uma vez por dia está associado a certos benefícios à saúde.

Mas, até que se saiba muito mais sobre os mecanismos subjacentes a esse aparente fenômeno, a equipe ressaltou que ninguém deve mudar a frequência com que alimenta seu cão com base neste estudo.

“No entanto, se for apoiado por estudos futuros, pode ser prudente revisitar a recomendação atualmente predominante de que cães adultos sejam alimentados duas vezes ao dia”, concluiu a equipe no novo artigo.



  • Back to top