Estudo: cães têm consciência do seu corpo e da consequência de seus atos - Pet é pop

Estudo: cães têm consciência do seu corpo e da consequência de seus atos

Estudo: cães têm consciência do seu corpo e da consequência de seus atos
Estudo: cães têm consciência do seu corpo e da consequência de seus atos
Estudo: cães têm consciência do seu corpo e da consequência de seus atos (Foto: Camylla Battani/Unsplash)

Um novo estudo revelou que os cães parecem ter consciência de seus corpos e entendem que suas próprias ações têm consequências.

Veja também:

A pesquisa já havia mostrado que os cães podem captar emoções humanas e podem enganar-se, mas não estava claro se eles mostram ou não autoconsciência. “Precisamos levar em consideração a ecologia e a evolução das espécies”, disse Rita Lenkei, da Eötvös Loránd University Budapest, Hungria. “À medida que evoluem em sociedades humanas complexas, os cães devem possuir uma das habilidades básicas de autoconsciência”, explicou ela.

O estudo consistiu na análise de um teste de consciência corporal no qual o corpo de um indivíduo se tornou um obstáculo para atingir um objetivo. Com 32 cães, os pesquisadores instruíram cada animal a recuperar um brinquedo.

Em alguns casos, o brinquedo era preso a uma esteira onde o cão estava de pé, fazendo com que o animal tivesse que se mover para fora da esteira para levar o brinquedo ao instrutor. Em outros casos, o brinquedo ficava preso no chão, impossibilitando sua retirada mesmo que o cão saísse do tapete.

Para os testes em que o brinquedo foi preso ao tapete, a equipe descobriu que cerca de 80 por cento dos cães deixaram o tapete ao tentar completar a tarefa. O número caiu para 50 por cento nos testes em que o brinquedo foi preso o chão. Além disso, os cães que saíram do tapete tinham maior probabilidade de fazê-lo com o brinquedo na boca se o brinquedo estivesse preso ao tapete e não ao chão.

Lenkei ressaltou que essas descobertas sugerem que os cães entendem que seus corpos podem atrapalhar quando se trata de completar tarefas e sabem como se mover de acordo, apontando para um senso de consciência corporal.

Juliane Bräuer, que dirige os laboratórios caninos do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, na Alemanha, salientou que esses resultados não são surpreendentes, mas estabelecem as bases para futuros estudos de autoconsciência. “Sabemos que os pontos fortes dos cães estão na cognição social e na comunicação, por isso é interessante mostrar que eles realmente sabem algo sobre seu ambiente físico”, disse Bräuer.

Muitos animais, incluindo elefantes e raias-manta, demonstram outra forma de autoconsciência: eles podem se reconhecer em um espelho. Os cães não podem fazer isso.

Lenkei sugeriu que a presença de autoconsciência pode variar entre as espécies, dependendo de sua evolução e ecologia. “O estudo enfatiza a importância de que a autoconsciência não é inerente, mas sim um conjunto de habilidades cognitivas conectadas”, explicou ela. “A consciência corporal é uma pequena peça do quebra-cabeça.”

Confira o estudo completo aqui.

  • Back to top