Estudo: 20% dos buldogues e pugs precisam de cirurgias corretivas - Pet é pop

Estudo: 20% dos buldogues e pugs precisam de cirurgias corretivas



Pesquisa recente do Royal Veterinary College (RCV) revela uma série de problemas em buldogues franceses, ingleses, pugs e outras raças de cães braquicefálicos (focinho curto). Entre esses males estão dificuldades respiratórias, superaquecimento e doenças oculares.

Apesar dos alertas dos veterinários, o levantamento mostra que muitos donos não têm consciência do sofrimento enfrentado pelos cães dessas raças extremamente populares.

Fotos Pixabay

Os pesquisadores descobriram que, enquanto um quinto dos cães com focinho curto no estudo precisou ser submetido a pelo menos uma cirurgia corretiva, apenas 9% dos donos consideram seu cão menos saudável do que a média para a sua raça.

Apesar de o estudo ser inglês, o alerta vale para cães dessas raças espalhados em todos os cantos do mundo. No Brasil, entre as dez raças mais populares, quatro têm focinho curto: buldogue francês, pug, lhasa apso e shih tzu.

Publicado no “Journal Plos One”, o estudo levantou que outros diagnósticos comuns incluem alergia (27%), úlceras de córnea (15%), infecções da dobra da pele (15%) e obstrução das vias aéreas (12%). Além disso, 17% relataram problemas respiratórios e 36,5% apresentaram superaquecimento.

Do lado dos donos, 71% consideravam que o seu cão estava em “boa saúde” ou “com a melhor saúde possível”.

Se você tem um cão de uma dessas raças, o recomendável é dar uma passada no veterinário e fazer um check-up. Torcemos para que o seu animalzinho faça parte dos 80% felizes e saudáveis que o estudo mostrou.

Veja também

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las
+ Edu Guedes faz desabafo sobre acidente de moto: ‘O susto foi grande’
+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância
+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro
+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok
+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo

  • Back to top