Estrelas do TikTok, cães e gatos ‘falantes’ inspiram estudo sério sobre comportamento animal - Pet é pop

Estrelas do TikTok, cães e gatos ‘falantes’ inspiram estudo sério sobre comportamento animal

Estrelas do TikTok, cães e gatos ‘falantes’ inspiram estudo sério sobre comportamento animal
Estrelas do TikTok, cães e gatos ‘falantes’ inspiram estudo sério sobre comportamento animal
Estrelas do TikTok, cães e gatos ‘falantes’ inspiram estudo sério sobre comportamento animal (Foto: Sarah Baker)

Alguns cães e gatos muito talentosos conquistaram o TikTok com suas habilidades de “falar”. Mas além de ganharem milhões de visualizações e fãs pelo mundo, eles também contribuem com um estudo sobre comportamento animal.

Veja também:

+ Bunny, o ‘cão falante’, deixa os cientistas infestados de pulgas atrás da orelha
+ Conheça todos os benefícios da castração para a saúde de cães e gatos
+ Aplicativo de paquera foi desenvolvido para aproximar amantes de gatos

Lexi, da raça husky siberiano, luta contra uma doença crônica e sua dona, Michelle Pierce, começou a procurar algo para ajudá-la a gastar energia. Ela comprou o HexTiles da FluentPet, que você pode ter visto em vídeos virais de cães pressionando botões que tocam frases e palavras gravadas que eles usam para se comunicar.

Os botões incluem palavras como “água”, “boa menina” e “chuva”, que Lexi pressiona com a pata para comunicar seus desejos, vontades e observações. A dona diz que Lexi agora tem 42 palavras e usa cerca de 25 diariamente.

“Ela é um daqueles cachorros que, quando o pai chega em casa, ela se preocupa com o pai”, disse Michelle. “Agora eu e ela temos nossas próprias coisinhas, nossas próprias conversinhas.”

@chelleandlexihusky Lexi likes to request NEW water sometimes 😅 #petsoftiktok #dogsoftiktok #talkingdog #talkingdogsoftiktok ♬ original sound – Michelle

Lexi é um dos muitos cães que viralizaram no TikTok e outras plataformas com suas habilidades impressionantes de comunicação. Outro exemplo é Bunny, que já conta com mais de 7 milhões de seguidores e regularmente faz sua audiência boquiaberta ao se comunicar com seus donos.

Recentemente, Bunny deixou até cientistas impressionados ao contar para a dona que teve um pesadelo. Após acordar de uma soneca, a cadela pressionou os botões e respondeu às perguntas de sua dona, dizendo que estava sonhando com “outro cachorro”.

Flambo, que tem mais de 1 milhão de seguidores, sabe 42 palavras. Em um de seus vídeos recentes, Flambo estava preocupado que seu novo colega de quarto era muito barulhento, porque ele é um streamer de videogames competitivos e pode ficar exaltado de vez em quando.

“[Houve] muitos gritos o dia todo. Ela estava jogando Rainbow Six”, disse a dona de Flambo, Abba Adams. “Flambo continuou pressionando ‘alto’, ‘alto’ e ‘por quê’. Ele estava tão confuso.”

@flambothedog He’s still not used to having her in the house 😂😂😂 #flambothedog #talkingdog #talkingpets #dogsthattalk #fyp #funnydog ♬ original sound – Flambo

Estes podem ser cães excepcionais, mas não são as únicas espécies que usam botões. Sarah Baker e seu gato Justin Bieber, que tem mais de 250 mil seguidores no TikTok, também usam botões para se comunicar.

Justin usa os mesmos HexTiles da FluentPet que os cães usam, e Sarah diz que tem cerca de 30 palavras. De forma semelhante aos cachorros, ela disse que os botões aparentemente reduziram a frustração de Justin. Ele é menos travesso e menos inclinado a correr gritando porque pode usar suas palavras. “Ele é um menino muito inteligente”, explicou. “Eu diria que definitivamente nos aproximou.”

@flambothedog He’s still not used to having her in the house 😂😂😂 #flambothedog #talkingdog #talkingpets #dogsthattalk #fyp #funnydog ♬ original sound – Flambo

Milhares desses donos de animais de estimação se inscreveram para participar de um estudo liderado pela FluentPet, a empresa que fabrica HexTiles, que foi lançado em junho de 2020. Embora a FluentPet não tenha pago um centavo em anúncios no Facebook, Google ou Amazon, de acordo com o fundador e CEO, Leo Trottier, eles faturaram cerca de US $ 5 milhões em vendas nos últimos 12 meses.

Ele disse que o estudo terá várias fases e está coletando milhares de pontos de dados para determinar se o fenômeno é “curiosamente significativo”. Embora ele diga que é improvável que neste ponto os dados apontem para uma interpretação exagerada ou que os pets não estão realmente aprendendo palavras, ele está aberto à possibilidade e disse que respeitará tudo o que a ciência disser.

Leo está trabalhando com o Dr. Federico Rossano, professor assistente em ciências cognitivas na Universidade da Califórnia em San Diego, que avaliará os dados e replicará o processo em seu próprio laboratório. Frederico disse que a dupla está sendo cautelosa sobre o que estão dizendo e como estão dizendo, mas tornará todos os dados públicos e transparentes e divulgará mais informações em breve.



  • Back to top