Estado legaliza maconha, e cães farejadores têm de procurar outro trabalho - Pet é pop

Estado legaliza maconha, e cães farejadores têm de procurar outro trabalho

Estado legaliza maconha, e cães farejadores têm de procurar outro trabalho
Estado legaliza maconha, e cães farejadores têm de procurar outro trabalho
Estado legaliza maconha, e cães farejadores têm de procurar outro trabalho (Foto: Marisa Teruel/Unsplash)

A legalização da maconha no estado do Arizona, EUA, pode acabar colocando alguns cães farejadores fora do trabalho.

Veja também:

Durante anos, os K9s foram treinados para farejar drogas ilegais, levando a apreensões em todo o país. No passado, os cães eram normalmente treinados para detectar maconha, cocaína, heroína e metanfetamina. No entanto, o que vai acontecer agora que a maconha é legal para fins recreativos?

“Os cães não falam, por isso não conseguem se articular. Eles são treinados para encontrar quatro odores. Quando um cão alerta, não podemos dizer qual desses odores ele está encontrando”, disse Wes Zygmont, treinador da K9 Defense em Scottsdale.

Resumindo, com um cão treinado para detectar todos os quatro odores, não há como saber se um cão está alertando seu dono sobre uma droga ilegal ou maconha.

Antes de a maconha ser legalizada, o “alerta” de um cachorro poderia fornecer uma causa provável para um policial procurar drogas. “Apenas o mero odor não é mais causa provável para um crime”, explicou o sargento Andy Williams.

Com a legalização da maconha, alguns estão preocupados que o uso contínuo de cães farejadores possa prejudicar os processos judiciais. “Portanto, mesmo usando a ferramenta, ela prejudica completamente o caso ou qualquer parte do trabalho que o policial está fazendo”, explicou Zygmont.

Então, o que acontece com os cachorros?

Em todo o estado, haverá dezenas de cães que precisarão ser reatribuídos ou substituídos. Muitos cães são treinados para ter dois propósitos, de modo que ainda podem servir a um papel, mesmo que não sejam mais usados ​​para detectar drogas.

O Departamento de Segurança Pública diz que em novembro eles tinham 18 cães farejadores de maconha. Oito foram substituídos até agora, mas ainda precisam de mais 10.

De acordo com um e-mail, alguns dos cachorros ainda estão desempenhando suas funções de patrulha não relacionadas à detecção de drogas, enquanto outros foram aposentados de suas responsabilidades e adotados como animais de estimação da família.

A polícia de Phoenix atualmente tem 10 cães farejadores de drogas que alertam para a maconha (junto com outras drogas), mas esse número diminuirá gradualmente. O departamento planeja continuar a usar esses cães para ajudar a detectar grandes quantidades de drogas ilícitas.

O departamento atualmente tem nove K9s que detectam outras drogas além da maconha. “Para o trabalho diário que estamos fazendo, precisamos desses novos cães que não alertam para a maconha”, disse o sargento Williams.

A polícia de Phoenix e o DPS indicaram não acreditar que esses cães possam ser retreinados para não cheirar maconha. No entanto, K9 Defense acha que é possível e está tentando provar isso.

Eles acreditam que se removerem o reforço positivo de encontrar maconha, eventualmente, o cão irá parar de dar um alerta ao cheiro.  Ao substituir esses instintos por novas imagens sem reforço positivo, o K9 acredita que pode retreinar os cães.

No entanto, os cães costumavam farejar o que os agentes da DEA e as autoridades policiais não podiam rastrear agora.

  • Back to top