Especialista aponta os perigos da otite, que atinge 26% dos pets - Pet é pop

Especialista aponta os perigos da otite, que atinge 26% dos pets

Especialista aponta os perigos da otite, que atinge 26% dos pets
Especialista aponta os perigos da otite, que atinge 26% dos pets
Especialista aponta os perigos da otite, que atinge 26% dos pets (Foto: Yan Lauricheese/Unsplash)

Coceira excessiva e vermelhidão nas orelhas, além de movimentos bruscos e contínuos da cabeça, podem ser sinais de que cães e gatos estão com inflamação nos ouvidos. Nos pets, as otites são comuns e as causas são variadas: fungos, ácaros, bactérias ou, em alguns casos, até em decorrência de processos alérgicos.

Veja também:

+ Verão amplia o risco de o seu pet contrair otite; saiba como protegê-lo
+ As 5 maneiras com que os cães ajudam a melhorar nossa saúde
+ Confira as 10 raças de cães que mais detestam ficar sozinhos em casa

“Geralmente, as otites crônicas representam um problema de saúde secundário a outras doenças, que podem ou não ser doenças de pele. Muitas vezes podemos preveni-las com ações simples, mas eficazes, como limpeza periódica dos canais auditivos”, explica a médica veterinária Suzana Melo, analista técnica de marketing da linha de produtos para pets da Syntec.

A gravidade do problema pode ser constatada pelas estatísticas: as otites recidivantes (que reaparecem) ou crônicas afetam 26% da população canina e felina e representam 15% dos atendimentos veterinários no país. Além disso, do total de otopatias em cães, 76,7% são de otite externa crônica (OEC). Os dados são da Comissão de Animais de Companhia (Comac), do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan).

Para Suzana Melo, diagnóstico e tratamento rápidos são essenciais para que os pets sofram menos com dores dos ouvidos. “É muito importante que a avaliação veterinária seja criteriosa, para que o tratamento seja adequado, diminuindo, assim, a probabilidade de recidivas. Se o tutor notar que o ouvido do pet está com alguma alteração, deve procurar rapidamente um veterinário, para que ele analise a situação e indique as melhores soluções.”

A especialista da Syntec chama atenção para um detalhe prejudicial: o uso indiscriminado de medicamentos sem a prescrição do médico veterinário. “Em muitos casos, a reincidência do problema acontece devido ao uso incorreto de antibióticos e de falhas no diagnóstico. Isso porque, em vez de procurar um especialista, os tutores tentam resolver o problema sozinhos, o que acaba prolongando os sintomas e o sofrimento de cães e gatos.”

A otite externa é um problema relativamente simples quando diagnosticado e tratado rapidamente e de forma correta. Em muitos casos, é recomendado o uso de ceruminolíticos, como a solução otológica Auritec, da Syntec. Indicada tanto para a higienização semanal quanto para o auxílio ao tratamento das otites, Auritec dissolve o excesso de cerúmen do conduto auditivo, permitindo maior área de contato dos medicamentos utilizados a seguir.

Em casos de infecções em cães, a pomada Cirpo-otic – formulada à base de cirpofloxacina, clotrimazol e betametasona – é recomendada para o tratamento da otite externa aguda e crônica, causada por bactérias, fungos e leveduras. Em conjunto, os dois produtos compõem o “Kit Orelhas Saudáveis”, da Syntec, para limpeza e tratamento de infecções em cães. Para os gatos, a recomendação é para uso apenas de Auritec, como forma de manutenção da higiene auricular.



  • Back to top