Entenda por que o povo era tão louco por gatos no Egito Antigo - Pet é pop

Entenda por que o povo era tão louco por gatos no Egito Antigo

Entenda por que o povo era tão louco por gatos no Egito Antigo
Entenda por que o povo era tão louco por gatos no Egito Antigo
Entenda por que o povo era tão louco por gatos no Egito Antigo (Foto: Thomas Wolter/Pixabay)

Os antigos egípcios são famosos por sua predileção por todas as coisas felinas. Por que será? Confira o motivo dos gatos terem sido tão populares no Egito Antigo.

Veja também:

Não faltam provas arqueológicas que os antigos egípcios eram obcecados por gatos, afinal, foram encontrados diversos artefatos com o tema de gatos, de estátuas gigantescas a joias complexas, que sobreviveram os milênios desde que os faraós governaram o Nilo.

Os antigos egípcios mumificaram incontáveis ​​gatos e até criaram o primeiro cemitério de animais de estimação conhecido do mundo, um cemitério de quase 2.000 anos que abriga gatos usando notáveis ​​coleiras de ferro e contas.

Mas por que os gatos eram tão valorizados no Egito Antigo? Muita dessa reverência é porque os antigos egípcios pensavam que seus deuses e governantes tinham qualidades felinas, de acordo com uma exposição de 2018 sobre a importância dos gatos no Egito antigo realizada no Museu Nacional Smithsonian de Arte Asiática em Washington, DC.

Especificamente, os gatos eram vistos como possuidores de uma dualidade de temperamentos desejáveis: por um lado, eles podem ser protetores, leais e nutritivos, mas, por outro, podem ser combativos, independentes e ferozes.

Para os antigos egípcios, isso fazia os gatos parecerem criaturas especiais dignas de atenção, e isso pode explicar por que eles construíram estátuas felinas. A Grande Esfinge de Gizé, um monumento de 73 metros de comprimento que tem o rosto de um homem e o corpo de um leão, é talvez o exemplo mais famoso de tal monumento.

Além disso, os gatos provavelmente também eram amados por suas habilidades de caçar ratos e cobras. No entanto, não está claro quando os gatos domesticados apareceram no Egito, mas os arqueólogos encontraram sepulturas de gatos e gatinhos datando de 3800 a.C.

Porém, muitas pesquisas têm sugerido que essa obsessão nem sempre foi gentil e afetuosa, e há evidências de um lado mais sinistro do fascínio felino dos antigos egípcios. Provavelmente havia indústrias inteiras dedicadas à criação de milhões de gatinhos a serem mortos e mumificados para que as pessoas pudessem ser enterradas ao lado deles, principalmente entre cerca de 700 a.C. e 300 d.C.

Em um estudo publicado no ano passado na revista Scientific Reports, os cientistas realizaram exames de micro-TC de raios-X em animais mumificados, um dos quais era um gato. Isso lhes permitiu dar uma olhada detalhada em sua estrutura esquelética e os materiais usados ​​no processo de mumificação.

“Era um gato muito jovem, mas não tínhamos percebido isso antes de fazer o escaneamento, porque grande parte da múmia, cerca de 50% dela, é feita de embrulho”, disse o autor do estudo Richard Johnston, professor de pesquisa de materiais na Swansea University no Reino Unido, ao Live Science. “Quando o vimos na tela, percebemos que era jovem quando morreu, com menos de 5 meses de idade, quando seu pescoço foi deliberadamente quebrado. Foi um pouco chocante.”

“Eles eram frequentemente criados para esse propósito”, acrescentou Johnston. “Era bastante industrial, você tinha fazendas dedicadas à venda de gatos.”

De acordo com Mary-Ann Pouls Wegner, professora associada de arqueologia egípcia da Universidade de Toronto, isso acontecia porque muitas das criaturas foram oferecidas como um sacrifício votivo aos deuses do Egito Antigo. “Era um meio de apaziguar ou buscar ajuda de divindades além das orações faladas”, explicou ela ao Live Science.

  • Back to top