Duas exposições homenageiam os cães que trabalharam duro no 11 de Setembro - Pet é pop

Duas exposições homenageiam os cães que trabalharam duro no 11 de Setembro

Duas exposições homenageiam os cães que trabalharam duro no 11 de Setembro
Duas exposições homenageiam os cães que trabalharam duro no 11 de Setembro
Duas exposições homenageiam os cães que trabalharam duro no 11 de Setembro (Foto: Reprodução/Instagram)

Para homenagear os cães que trabalharam no resgate das pessoas depois que as torres gêmeas desabaram no 11 de setembro, museus de Nova York fizeram exposições com artes dos heróis caninos.

Veja também:

+ Exposição reúne imagens de famosos com seus pets em lojas da Cobasi
+ Cães e gatos estão sujeitos a sofrer com demência, indica estudo
+ Vídeo: dono acorda sua cadela cega e surda de um jeito que vai aquecer seu coração

Trakr, um pastor alemão do Canadá, vasculhou os destroços por dois dias, depois desmaiou devido à inalação de fumaça, exaustão e queimaduras. Riley, um golden retriever de 4 anos, vasculhou os campos de destroços e ajudou a localizar os corpos de vários bombeiros.

“Fomos lá esperando encontrar centenas de pessoas presas”, disse Chris Selfridge, de 54 anos, de Johnstown, Pensilvânia, que era o dono de Riley. “Mas não encontramos ninguém vivo.”

Embora não houvesse muitos sobreviventes para encontrar em meio à destruição, a devoção dos cães ao trabalho tornou-se uma visão inspiradora para os trabalhadores médicos de emergência e para outras pessoas que testemunharam o esforço de resgate urgente.

Agora, com a aproximação do 20º aniversário dos ataques, esses esforços estão sendo homenageados em uma exposição que será inaugurada na quarta-feira (01/09) no AKC Museum of the Dog (Museu do Cachorro do American Kennel Club).

Intitulada “9/11 Remembered: Search & Rescue Dogs” (em português, “Lembrando o 11 de setembro: cães de busca e resgate”), a exposição também vai além dos parâmetros de 11 de setembro para reconhecer cães que trabalharam em outros desastres, não apenas nos Estados Unidos, mas em todo o mundo.

A mostra também incluirá várias peças do projeto DOGNY, uma iniciativa de arte que apresenta esculturas em tamanho real de pastores alemães. Cerca de 100 deles foram colocados em Nova York após os ataques.

Paul Farinacci’s DOGNY Sculpture K-9 Ladder. Ron Burns, “Otto” on exhibit in “9/11 Remembered: Search & Rescue Dogs.”

Outra exibição temporária em andamento no 9/11 Memorial & Museum em Lower Manhattan, a “K-9 Courage“, que foi inaugurado em janeiro de 2020, mas quase não foi vista por causa da pandemia, será reinaugurada no local.

Essa exposição, que começa na primavera de 2022, apresenta retratos da fotógrafa Charlotte Dumas de 15 dos cães que ajudaram nos esforços de recuperação no marco zero, tirados para o aniversário de 10 anos em 2011, ao lado de fotos deles trabalhando nos destroços.

Cerca de 2.753 pessoas morreram quando o grupo terrorista Al Qaeda sequestrou dois aviões e os jogou contra as torres do World Trade Center, causando o colapso de ambos em 102 minutos.

Enquanto uma nuvem de poeira envolveu Manhattan, centenas de equipes de busca e resgate de todo o país desceram ao marco zero para se juntar à busca por sobreviventes, com os primeiros cães, da equipe de busca e resgate urbano K-9 do NYPD, chegando à Torre Sul apenas 15 minutos após seu colapso. As equipes trabalharam 12 horas por dia por uma média de 10 dias seguidos.

O Departamento de Polícia de Nova York relatou que, embora sobreviventes tenham sido encontrados nos escombros, nenhum deles foi resultado direto da descoberta de um cachorro. No entanto, várias pessoas atribuíram a Trackr, um cão policial aposentado, a participação em um dos resgates.

Portrait of Bretagne, left, by Charlotte Dumas, and Bretagne onsite in 2001, from the installation “K-9 Courage,” at 9/11 Memorial & Museum.
(Foto: Jin S. Lee – 9/11 Memorial & Museum)
  • Back to top