Dona perde seu cão e o reencontra em mercado chinês de carne canina - Pet é pop

Dona perde seu cão e o reencontra em mercado chinês de carne canina

Dona perde seu cão e o reencontra em mercado chinês de carne canina
Dona perde seu cão e o reencontra em mercado chinês de carne canina
Dona perde seu cão e o reencontra em mercado chinês de carne canina (Foto: Reprodução/Weibo)

Uma mulher estava fazendo uma caminha matinal com seu Shiba Inu, de 4 anos, quando um estranho agarrou seu cachorro e sumiu entre os becos próximos.

Veja também:

+ Cães salvam as vidas de 14 banhistas no litoral da Itália
+ Cães comem supercola, e veterinários fazem de tudo para tentar salvá-los
+ Como os cães sabem a hora da refeição e do passeio? A ciência tenta explicar

A dono do animal, de sobrenome Wang, estava perto de sua casa na cidade de Zhuhai, no sul da China, naquela manhã, enquanto seu pai passeava com o cachorro.

Ela rastreou Chuqi em um dispositivo móvel de rastreamento, alertou seu animal de estimação que estava fora da área designada, antes que ele desaparecesse em uma área próxima à cidade de Zhongshan.

Wang informou imediatamente à polícia que seu cachorro, Chuqi, havia sido roubado. Temendo o pior, ela dirigiu até a última área mostrada no dispositivo de rastreamento, uma área também conhecida por vender carne de cachorro.

Lá, em frente a uma loja administrada por uma senhora idosa, ela viu um saco plástico vermelho com o que parecia ser carne picada dentro. Ela também viu um microchip: o de Chuqi.

“Eu simplesmente perdi o controle, não conseguia bater ou repreender ninguém, minhas mãos estavam tremendo. Fiquei com raiva, resignado e desamparado. Minhas lágrimas começaram a derramar assim que entrei no carro”, escreveu ela em um post no Weibo (o equivalente ao Twitter chinês) em 30 de julho, pedindo aos moradores locais que ajudassem a encontrar o suspeito.

O pedido de ajuda de Wang ressalta a questão do comércio de cães como fonte de carne, que apesar da reação dos moradores, autoridades e organizações de direitos dos animais, continua nos mercados negros.

Durante anos, a cidade de Yulin, na região autônoma de Guangxi Zhuang, no sul da China, foi famosa por sediar um festival anual de carne de cachorro, embora o governo local tenha se retirado como anfitrião oficial em 2014 devido à pressão social.

Em julho, mais ou menos na mesma época em que Chuqi foi sequestrado, ativistas dos direitos dos animais encontraram 68 cães perto de Yulin, supostamente sendo levados para matadouros. Após serem descobertos, eles foram transferidos para um abrigo.

Com um número crescente de donos de animais de estimação na China e maior consciência dos direitos dos animais, consumir carne de cachorro agora é visto como imoral e retrógrado nas áreas urbanas.

Em meados de julho, o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China anunciou que os cães “não são gado”, alertando as pessoas de se envolverem no comércio de carne de cachorro.

Zhuhai, a cidade onde Chuqi foi sequestrado, proibiu o consumo de carne de cachorro e gato em abril passado, mas a cidade vizinha, Zhongshan, não tem nenhum regulamento em vigor. Ativistas dos direitos dos animais dizem que a ausência de uma lei nacional de proteção aos animais significa que tais anúncios e proibições locais têm pouco efeito, enquanto os abusos e a violência contra animais de estimação continuam.

“Temos trabalhado para reprimir o comércio obscuro de cães e gatos”, disse Chen Qiang, chefe do Grupo de Trabalho de Animais de Companhia da Fundação para a Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento Verde da China, ao site Sixth Tone. “As pessoas envolvidas nessas negociações têm tão pouco a pagar, queremos responsabilizá-las legalmente.”

Dada a falta de leis relevantes, Chen disse que o suspeito de roubo só pode ser punido com base no valor do objeto roubado, considerando que os cães podem ser considerados propriedade privada.

Na terça-feira, Wang disse à Sixth Tone que a polícia de Zhuhai ainda está investigando o caso, enquanto ela aguarda o valor de Chuqi. O suspeito ainda não foi capturado.

“As coisas estão avançando em Zhuhai, mas em Zhongshan, os reguladores do mercado e os reguladores da cidade transferem a responsabilidade uns para os outros”, disse Wang. “A mulher mais velha ainda está vendendo.”

Enquanto isso, os usuários do Weibo ficaram comovidos com a experiência de Wang, com muitos tentando consolar a dona do cachorro. No entanto, alguns argumentaram que Chuqi deveria ter sido controlado, o que é obrigatório por lei.

“Ninguém consegue cuidar de seus cães em todos os momentos do dia. Os vendedores de cães que infligiram essa dor são tão abomináveis ​​que são iguais aos traficantes de seres humanos”, escreveu um usuário do Weibo na postagem de Wang. “A causa raiz desta tragédia é que a China não tem leis de proteção animal”, escreveu outro.

É exatamente por isso que milhões de proprietários de animais de estimação e ativistas pelos direitos humanos estão lutando. “Tudo aponta para o fato de que a sociedade precisa urgentemente de leis para animais de companhia”, disse Chen. “Com a atenção do público em nossos amigos peludos, (provisão de uma lei de proteção animal) agora é uma tendência irrefutável.”

  • Back to top