Depois de deixar cão morrer de fome, dona mantém corpo no freezer - Pet é pop

Depois de deixar cão morrer de fome, dona mantém corpo no freezer

Depois de deixar cão morrer de fome, dona mantém corpo no freezer
Depois de deixar cão morrer de fome, dona mantém corpo no freezer
Depois de deixar cão morrer de fome, dona mantém corpo no freezer (Foto: Jarrod Reed/Unsplash)

Uma mulher escocesa manteve seu cachorro morto em um freezer depois que ele morreu de fome em sua casa que estava em um estado deplorável.

Veja também:

+ Por manter gatos mortos no freezer de casa, médica é acusada de crueldade animal
+ Caso raríssimo: gato nasce com polegares nas patinhas
+ Tudo o que moradores de apartamento precisam saber antes de adotar um cão

Kirsty McNeil, de 40 anos, admitiu ter causado sofrimento desnecessário a seu animal de estimação, chamado Cooper, por não fornecer a ele os cuidados e tratamento adequados. Em uma audiência anterior, ela foi proibida de manter animais por cinco anos por maltratar cruelmente Cooper junto com outros dois cães e dois gatos.

Ela recebeu inicialmente uma sentença adiada estruturada em agosto. No entanto, na terça-feira (17) ela teve a sentença adiada por mais nove meses para permitir que ela aproveitasse a ajuda e o apoio que lhe são oferecidos pelo serviço social e outras agências.

Adiando o caso até 18 de agosto de 2022 para ela se comportar bem, a xerife Jane Farquharson comentou: “Eu levo plenamente em consideração os esforços significativos que ela mesma fez. Nove meses dá a ela a oportunidade de fazer o que precisa, mas dá a ela a segurança de que o tribunal está de olho nas coisas para garantir que ela mantenha seu progresso.”

Glenn Fraser, defensor, disse ao Livingston Sheriff Court que a saúde mental de sua cliente era “extremamente ruim” no momento da ofensa e ela não estava cuidando de si mesma ou de ninguém.

Ele disse que ela “agarrou a ajuda que agora está recebendo com as duas mãos” e estava fazendo todos os esforços para lidar com os problemas contínuos de sua vida. “As acusações são graves. Se a ajuda que ela recebeu agora estivesse disponível na época, talvez não estivéssemos aqui agora.”

Fraser ainda disse na audiência anterior que sua cliente não havia maltratado seus animais de estimação por causa de crueldade deliberada. “Isso aconteceu porque ela não estava lidando com a situação na época. Ela apenas entrou em uma espiral descendente.”

O caso veio à tona depois que um interlocutor anônimo disse à Sociedade Escocesa para a Prevenção da Crueldade contra Animais (SSPCA) em 24 de novembro de 2019 que dois gatos na casa de McNeil não estavam sendo bem cuidados.

Os inspetores da SSPCA encontraram o chão da casa de McNeil coberto de fezes de cachorro e um forte cheiro de urina no apartamento. Cooper, cujo corpo havia inicialmente sido armazenado na gaveta de um freezer quebrado, foi encontrado em uma cova rasa no jardim. Seu pelo estava tão emaranhado que os inspetores não conseguiram identificar a raça do cachorro.

O animal morto não havia sido exercitado ou sido cuidado adequadamente por tanto tempo que suas garras se curvaram sob as almofadas de seus pés e havia aglomerados de matéria fecal em seu corpo.

Os animais de estimação que ainda estavam vivos foram resgatados e levados em uma van da SSPCA. Um veterinário realizou um exame post mortem no corpo de Cooper para estabelecer a causa da morte, que foi a falência de órgãos causada por desnutrição.



  • Back to top