Conheça alguns dos cães que trabalharam no 11 de Setembro - Pet é pop

Conheça alguns dos cães que trabalharam no 11 de Setembro

cães do 11 de setembro - Foto Twitter



cães do 11 de setembro - Foto Twitter
cães do 11 de setembro – Foto Twitter

Sirius era um labrador policial, de distintivo número 17. Especialista na detecção de explosivos, ele ficava baseado na torre Sul do World Trade Center.

Na manhã de 11 de setembro de 2001, ele e o tenente David Lim estavam no escritório quando Lim ouviu o barulho do primeiro avião atingindo a torre Norte.

Lim, que supôs que ele e Sirius haviam falhado ao não detectar um explosivo, disse a ele: “Acho que estamos com muitos problemas agora. Volto para pegar você”.

Sirius cães do 11 de setembro - Foto Twitter

O policial colocou Sirius no canil e partiu para encontrar a fonte da explosão. A caminho da torre Norte, Lim começou a resgatar pessoas para áreas seguras até as 10h28.

Nesse momento, o prédio caiu em apenas 11 segundos, matando centenas de civis e dezenas de socorristas. Lim, 12 bombeiros e três civis estavam descendo as escadas e foram para o quarto andar, onde ficaram presos entre os escombros por cinco horas até que a ajuda chegasse.

Lim emergiu como o único policial a sobreviver depois de ser preso sob os escombros. Saiu feliz por um lado, mas preocupado por outro. Sirius teria sobrevivido?

Sirius cães do 11 de setembro - Foto Twitter

Infelizmente, em 22 de janeiro de 2002, os restos de Sirius foram descobertos ainda em seu canil. Ele tornou-se o único cão que morreu com o desabamento.

Veja alguns cães que participaram da procura por sobreviventes nas Torres Gêmeas.

Riley cães do 11 de setembro - Foto Twitter

Especialista em procura e resgate, o golden retriever Riley ajudou a recuperar os corpos de vários bombeiros.

Bretagne cães do 11 de setembro - Foto Twitter

Durante 10 dias, a cadela Bretagne dedicou-se ao trabalho de buscas entre os escombros. Ela foi o cão de resgate do WTC que viveu por mais tempo. Morreu em 2016 aos 17 anos!

Abby cães do 11 de setembro - Foto Twitter

Vinda da Califórnia, a labradora Abby era um dos cães que sofria quando começou a ficar cada vez mais difícil encontrar sobreviventes.

Tikva cães do 11 de setembro - Foto Twitter

Com sua aparência fofa, temperamento amigável e traços pouco comuns, a cadela Tikva foi uma eficiente terapeuta, levando um pouco de conforto emocional em meio à tragédia.

Veja também

+ Golden retriever obeso é abandonado, ganha nova família e perde 45 kg

+ Artista recria rostos de imperadores romanos

+App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+McDonald’s vende molho especial pela primeira vez no Brasil

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Edu Guedes faz desabafo sobre acidente de moto: ‘O susto foi grande’

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo


  • Back to top