Conheça a história de Dormie, cão que foi julgado pelo assassinato de um gato - Pet é pop

Conheça a história de Dormie, cão que foi julgado pelo assassinato de um gato

Conheça a história de Dormie, cão que foi julgado pelo assassinato de um gato
Conheça a história de Dormie, cão que foi julgado pelo assassinato de um gato
Conheça a história de Dormie, cão que foi julgado pelo assassinato de um gato (Foto: Daniel Hedrich/Pixabay)

Em 1921, Dormie, um cachorro da raça Airedale Terrier, foi julgado em tribunal pelo assassinato de um dos gatos da vizinhança.

Veja também:

Parece mentira, mas realmente aconteceu: Dormie foi acusado de assassinato, com várias testemunhas preparadas para afirmar na corte que o viram cometer os atos violentos em sua própria propriedade.

O julgamento aconteceu na manhã do dia 21 de dezembro de 1921 e uma das testemunhas,  Marjorie Ingalls, lembra-se de ter visto o cadáver de sua amiga perto de um terreno baldio ao lado de sua casa. A vítima, Sunbeam, tinha apenas 8 anos. O réu foi acusado de tê-la abordado sem provocação antes de dirigir sua ira para seus três filhotes.

Se condenado pelo júri, ele enfrentaria a pena de morte e o dono deveria pagar uma multa. Foi a primeira vez na história moderna que um cachorro foi levado a julgamento, e os amantes de gatos da área de São Francisco não escondiam que queriam que Dormie fosse condenado.

O dono de Dormie, Eaton McMillan, um negociante de automóveis com alguns recursos financeiros, não ficou feliz com o caso. Ele protestou quando seus vizinhos acusaram Dormie de invadir seus quintais e, em seguida, confrontar e assassinar seus gatos.

Dormie, argumentou McMillan, tinha uma licença que lhe dava liberdade para vagar pela área. Como ele não instruiu Dormie a atacar nenhum animal de estimação, ele insistiu que não era responsável. Em vez de aceitar a multa e fazer com que Dormie fosse sacrificado, ele contratou um advogado de defesa, James Brennan, que insistiu em um julgamento por júri.

“O decreto sob o qual este caso é levado é ridículo e esperamos, não apenas salvar Dormie, mas atacar esta lei”, disse Brennan ao The Stockton Daily Evening Record. “E vamos protestar contra as mulheres no júri, pois elas são notórias criadoras de gatos.”

O dia de Dormie no tribunal chegou relativamente rápido, poucas semanas após a descoberta do falecido Sunbeam em 2 de dezembro. A juíza Lile T. Jacks presidiu uma atmosfera carregada de tensão. Entre os espectadores estavam crianças preocupadas que consideravam Dormie um amigo, bem como amantes de gatos da área em busca de justiça.

Brennan resumiu seu caso fazendo um apelo direto aos estereótipos de animais de estimação. Os cães eram leais aos humanos, disse ele, e gatos eram possuidores de ingratidão. O júri saiu por apenas 20 minutos e, quando voltaram, disseram que estavam indecisos. Sete votaram pela absolvição e cinco queriam condená-lo. Dormie foi libertado e teve permissão para voltar para casa.

  • Back to top