Conheça a história de cães e gatos que foram heróis de guerra - Pet é pop

Conheça a história de cães e gatos que foram heróis de guerra

Conheça a história de cães e gatos que foram heróis de guerra



Conheça a história de cães e gatos que foram heróis de guerra
Conheça a história de cães e gatos que foram heróis de guerra (Foto: Reprodução)

Os cães são os heróis de guerra mais amplamente elogiados, arriscando suas vidas para salvar um soldado ou um pelotão inteiro. Mas, os gatos também desempenharam um papel importante em situações de combate ao longo da história, com pouca atenção e ainda menos crédito.

Veja também:

Fotos: conheça a história de alguns cães heróis preparados para a guerra
Conheça a tenebrosa história dos cães-bomba na 2ª Guerra Mundial
Cães solucionam ‘crime’ em calendário da polícia canadense

Gatos como heróis de guerra

Por mais de 2.500 anos, os gatos desempenharam um papel na guerra em todo o mundo. Usados ​​durante ações militares que datam do reinado de Cambises II, rei da Pérsia, que conquistou o Egito em 525 aC. Mas, o destino dos gatos foi menos do que humano. “Em alguns relatos, ele e seus soldados capturaram vários gatos e os usaram como escudos em seu ataque à cidade de Pelusium”, ou apenas os soltaram como uma distração no campo de batalha.

Segundo a Military History, Sebastopol Tom (ou Cremian Tom) foi o primeiro gato militar não oficial. Em 1854, quando as tropas britânicas e francesas ocuparam a cidade portuária russa de Sebastopol, Tom liderou as tropas famintas para esconderijos de comida sob os escombros, que haviam sido escondidos ao longo da orla marítima pelos defensores russos. Tom foi adotado como mascote pelos soldados agradecidos e foi levado para a Inglaterra quando as tropas foram chamadas de volta.

A autora e historiadora, Pauline Connelly, explica que em 1919, uma publicação falou pela primeira vez sobre gatos britânicos recolhidos nas ruas e estradas (aparentemente os gatos “selvagens” de hoje) e gatos indesejados solicitados em anúncios, que deveriam ser distribuídos aos soldados em as linhas de frente durante a Primeira Guerra Mundial para detectar gás nas trincheiras.

“Como uma linha secundária de seu serviço militar ativo, as tropas peludas mantiveram a população de ratos controlada e forneceram companhia aos homens”, acrescenta Connelly.

Como os gatos se tornaram heróis

Na Primeira Guerra Mundial, o exército britânico empregou mais de 500.000 gatos como detectores de gás móveis, de acordo com a História Militar. “Como os gatos eram muito menores do que os soldados, eles sentiam os efeitos do gás mais rápido, dando aos soldados tempo para reagir.”

Na Segunda Guerra Mundial, os gatos (junto com os cães) eram definitivamente um dos animais mais comuns usados ​​como mascotes militares e adotados como animais de estimação, mas muitas vezes também desempenhavam um papel útil.

Os gatos mantiveram as populações de roedores e até mesmo algumas populações de insetos controladas, em torno de refeitórios e, muitas vezes, a bordo de navios. “Esses gatos não serviam apenas como companheiros, mas também ajudavam a alertar sobre o lançamento de bombas.”

Antes dos cães farejadores, os gatos eram usados ​​para seus próprios detectores de bomba embutidos. Entre os gatos mais famosos da Segunda Guerra Mundial estava “Bomber”, que conseguia distinguir sons feitos pela RAF e aeronaves alemãs. Quando Bomber se dirigiu ao abrigo, sua família o seguiu, tornando-o um felino sistema de alerta precoce.

Hoje, a maioria dos gatos militares ainda desempenha um papel importante em manter a moral alta entre as tropas em todos os lugares.

Soldados e cães de guerra

Cerca de 20 mil cães serviram ao Exército, Guarda Costeira e Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA durante a Segunda Guerra Mundial. Os cães realizavam serviços como guarda de postos e suprimentos, transporte de mensagens e resgate de pilotos abatidos.

Os cães eram batedores, conduzindo tropas através do território inimigo, expondo emboscadas e salvando a vida de pelotões de homens em combate. Os cães de guerra provaram sua inteligência, coragem e lealdade inabalável repetidas vezes.

Conheça os três principais cães deste período:

Sallie – Guerra Civil

Sallie foi o mascote da 11ª Infantaria Voluntária da Pensilvânia e serviu com os soldados na linha de frente de muitas batalhas. Ela era uma Staffordshire Bull Terrier. Durante a batalha de Gettysburg, ela foi separada de seu regimento, mas foi encontrada três dias depois no campo de batalha, ainda guardando soldados feridos e mortos. Mais tarde, ela foi morta em combate.

Chips – Segunda Guerra Mundial

Chips era uma mistura de Pastor alemão, com Border collie e Husky siberiano, e era o “cão militar mais condecorado da Segunda Guerra Mundial”. Ele fez parte do programa Dogs for Defense iniciado após o ataque a Pearl Harbor e serviu no Sétimo Exército do General Patton na Alemanha, Itália, Sicília, França e Norte da África.

Quando Chips e seus companheiros foram presos por tiros de metralhadora de uma caixa de remédios na Sicília, Chips sozinho carregou contra a caixa de remédios e capturou todos os quatro soldados que estavam lá dentro. Mais tarde naquela noite, Chips ouviu soldados inimigos se aproximando para uma emboscada e acordou e alertou os soldados adormecidos, salvando suas vidas.

Nemo – Guerra do Vietnã

Nemo, um Pastor alemão, serviu na Força Aérea na Guerra do Vietnã. Enquanto estava de guarda uma noite com seu treinador, o aviador Robert Throneburg, Nemo sentiu soldados inimigos se aproximando e alertou Throneburg. O soldado recebeu uma Medalha de Coração Púrpura e Estrela de Bronze com Valor e Nemo recebeu um canil permanente para se aposentar.

Nemo foi um dos primeiros cães autorizados a retornar aos Estados Unidos após servir no exterior desde a Segunda Guerra Mundial, de acordo com o Site do Veterano.

Veja também

+ Golden retriever obeso é abandonado, ganha nova família e perde 45 kg

+ Artista recria rostos de imperadores romanos

+App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+McDonald’s vende molho especial pela primeira vez no Brasil

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Edu Guedes faz desabafo sobre acidente de moto: ‘O susto foi grande’

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo


  • Back to top