Confira um roteiro básico para treinar um filhote de gato - Pet é pop

Confira um roteiro básico para treinar um filhote de gato

Confira um roteiro básico para treinar um filhote de gato
Confira um roteiro básico para treinar um filhote de gato
Confira um roteiro básico para treinar um filhote de gato (Foto: Florian Höllmüller/Pixabay)

Treinar um filhote de gato pode ser desafiador, especialmente por conta de seus instintos naturais de espreitar, perseguir e atacar. Por isso, confira como treiná-lo da maneira certa.

Veja também:

Um fator que influencia muito o comportamento do gato é quanto tempo ele chega a conviver com sua ninhada e sua mãe. Separar os gatinhos da ninhada muito cedo não é bom para os filhotes e pode causar dificuldades aos gatos quando ficam mais velhos.

Isso é devido ao fato de que os filhotes aprendem muito com as mães, mas ainda mais com os seus irmãos, e as interações sociais ajudam a tornar o gato melhor. A interação humana pode ajudá-lo a socializar, mas a combinação dos dois o tornará um ótimo gato.

Instinto e confiança

Mesmo que a caça seja instintiva no gato, os gatinhos não veem seus companheiros de ninhada como presas, mas a hora de brincar os prepara melhor para o futuro e ajuda a manter suas mentes estimuladas. A brincadeira também ajuda a desenvolver a coordenação de um gatinho mais rápido. Melhor coordenação significa maior confiança no gatinho.

A confiança é crucial para que eles tenham uma vida saudável e feliz. Estar perto de outros gatinhos também os ajuda a queimar sua energia extra e ajuda a socializá-los com outros gatos no futuro. Se o seu gato passou um tempo com outros gatos quando era um filhote, é mais provável que eles aceitem outros gatos em suas vidas quando forem mais velhos.

Comunicação

Os gatos usam seus corpos, não suas vozes para se comunicar. Seus ronronados e vocalizações geralmente são um grito para que seu humano os alimente. Os filhotes aprendem a se comunicar com a linguagem corporal e a ler as dicas de outros gatos quando passam tempo uns com os outros.

Isso ajuda o filhote a aprender os limites, o que também é benéfico para os donos dos gatos. Por exemplo, quando um gatinho morde ou coça com muita força durante a brincadeira, o outro gato o informa. Isso irá definir para o quão longe ele pode levar o tempo de brincadeira em geral, e você pode suportar arranhões e mordidas menos dolorosas em nome da hora de brincar.

Se você está pensando em adotar um gatinho, considere adotar dois da mesma ninhada para que possam se desenvolver juntos. Com boa socialização e amor de sua parte, todos os três desenvolverão um vínculo forte e saudável.

  • Back to top