Confira dez dicas para acalmar um gato estressado ou medroso - Pet é pop
  • Confira dez dicas para acalmar um gato estressado ou medroso



    Os gatos são um enigma. Inteligentes e às vezes insondáveis, eles têm sensibilidade e percepção que fazem deles pets fascinantes. Mas, como a maioria dos que possuem um bichano em casa pode dizer, os gatos também são criaturas de hábitos e conforto. Eles podem ficar estressados ​​ou assustados com uma série de coisas, de uma visita ao veterinário até a chegada de um novo desconhecido em casa.

    Para saber se o seu gato está sofrendo de estresse, observe atentamente sua linguagem corporal. Não é fácil, pois os felinos são mestres do disfarce. Os donos precisam desenvolver a capacidade de absorver todas as informações que o gato passa com suas expressões e linguagem corporal – a tensão no corpo, o tamanho das pupilas, o movimento e direção dos ouvidos, vocalizações e assim por diante.

    Depois de adquirir essa capacidade, o dono pode se perguntar o que fazer, caso o bichano apresente sinais de estresse. Acalmar um gato é um processo delicado, mas, com essas dicas de veterinários do site Pet MD, você vai conseguir fazer com que seu gatinho volte a ser aquele pet feliz e travesso.

     

    1 – Tire essas mãos de mim!

    Fotos Pixabay

    Enquanto um humano estressado pode buscar o conforto de um abraço, muitos gatos não gostam de ser manuseados quando estão chateados. Este é provavelmente o erro mais comum que os donos cometem. Ao notar que o bicho não está bem, apressam-se e tentam acariciar ou pegar um gato altamente excitado ou estressado.

    É preciso entender que pode levar horas até que o animal recupere o humor. Assim, em vez de sufocar o bicho com doses elevadas de carinhos táteis, o melhor é apenas estar perto dele. Os gatos podem responder positivamente à presença de alguém que conhecem e confiam.

    Mas lembre-se: todos os gatos são diferentes. Se o seu procura colo enquanto você está sentado por perto, é seguro assumir que ele quer ficar ali. Portanto preste atenção às preferências pessoais do seu gatinho para apoiá-lo em sua hora de necessidade.

     

    2 – Isso não me cheira bem…

    Lentidão e constância são palavras-chave na hora de acalmar um gato estressado, especialmente se ela estiver exposto a algo novo. Se é um fator estressante de curto prazo – como seu amigo que chega com um cachorro ou uma obra rápida no vizinho –, nem se esforce para acostumar o bicho a essas situações sazonais. Nesses casos, o melhor é deixa o bichano em uma sala segura, com o essencial para o período de tempo em questão.

    Com fatores de mais longo prazo – como a chegada de um novo pet ou o nascimento de uma criança – a estratégia é ir devagar e apresentar a novidade para um sentido de cada vez. Os gatos confiam muito em seus narizes, então é melhor começar pelo olfato. Jamais pense que o animal vai se acostumar com a novidade pela exposição excessiva. O processo de dessensibilização deve ser lento e gradual.

     

    3 – Eu quero me esconder do mundo!

    Os gatos podem ter medo de grandes espaços abertos. Portanto, certifique-se de que ele tenha um local aconchegante, onde possa se recolher em momentos de estresse. Alguns gostam de ficar escondidos e sob as coisas, outros ficam confortáveis em locais altos. Forneça os dois tipos de espaço, mas certifique-se de nunca estar encurralando o gato. Sempre dê a ele uma saída, uma rota de fuga.

    Mesmo quando transportar seu gato em uma gaiolinha, é recomendável empregar a regra do aconchego para mantê-lo calmo. Para a maioria dos gatos, encobrir a gaiola e bloquear qualquer estímulo extra é útil. Mas, quando for preciso que outra pessoa carregue o bichano, é preciso treinar e aclimatar o bicho ao novo transportador.

     

    4 – Cadê a comida que estava aqui?

    Uma prática para aliviar a ansiedade que os donos às vezes negligenciam é cuidar de suas necessidades básicas, de uma maneira centrada no gato. Parece fácil, mas significa fazer o que é melhor para o bichano, não para você ou sua casa. Dê aos gatos coisas que eles precisam nos lugares onde eles se sentem mais confortáveis.

    Se o canto predileto do seu gato for o quarto do casal, por exemplo, mas ele está com muito medo de sair de lá, não coloque sua caixa de areia no porão e a comida na cozinha. Distribuir os itens essenciais do gato em salas distantes ou potencialmente assustadoras pode causar estresse crônico. Portanto observe atentamente as preferências dele. Embora possa parecer repugnante ter uma caixa de areia no quarto, às vezes sacrifícios devem ser feitos para nossos companheiros felinos.

     

    5 – Respeite o meu faro

    Uma das coisas que gatos fazem para se confortar é deixar o cheiro em objetos por meio da fricção facial. É preciso permitir que eles deixem seu perfume onde quiserem e que tenham acesso fácil a esses locais em momentos de estresse.

    Arranhadores são uma ótima opção, e eles não podem faltar nos cantos prediletos do seu bichano. Da mesma forma, se você transportá-lo em uma gaiola a um lugar desconhecido, leve algum item que contenha o cheiro do gato, o que proporciona familiaridade em uma situação estressante.

     

    6 – Adoro o cheiro de casa

    Além do cheiro pessoal do seu gato, existem outros aromas naturais que podem criar uma aura de calma – e também funcionam com humanos. Aromas como madressilva e lavanda podem ter um efeito calmante nos gatos. Apenas um spray rápido no ar é tudo o que você precisa.

    Use uma pequena quantidade de cada vez e armazene os óleos essenciais com segurança e fora do alcance do bichano. Essas substâncias podem ser perigosas se entrarem em contato direto com ele.

     

    7 – Que som é esse?

    Os gatos são muito sensíveis ao ruído. No caso de o seu bichano ter de conviver com, por exemplo, uma construção, choro de bebê, ou tráfego intenso, fornecer um som alternativo é uma ótima solução.

    Não há muitas pesquisas sobre música ou sons para acalmar um gato, mas pode-se experimentar música clássica suave e observar como o gato responde. No mínimo, isso pode reduzir o impacto dos ruídos “assustadores”.

    Se essa música for tocada numa sala aconchegante ou no refúgio predileto do gato, vai aumentar a sensação de calma. Você pode até experimentar algumas “músicas específicas para gatos”, criadas por cientistas da Universidade de Wisconsin.

     

    8 – Só me acalmo quando como

    Se o caminho para o coração do seu gato passar pelo estômago, você pode experimentar guloseimas projetadas para fornecer efeitos calmantes. Esses produtos têm L-teanina, um ingrediente encontrado no chá verde que, naturalmente, alivia a ansiedade.

    Suplementos de ervas também são uma opção, mas é recomendável procurar um veterinário antes de adotar essa estratégia. Em alguns casos, medicamentos para ansiedade de curto ou longo prazo podem ser mais úteis.

     

    9 – Não estou para brincadeiras

    Embora brincadeiras não sejam uma boa opção para gatos em estado de grande excitação, elas podem ser uma ferramenta valiosa para lidar com o estresse crônico ou de longo prazo. Elas podem diminuir o estresse em gatos e aumentar sua confiança em locais anteriormente associados ao medo.

    Gatos com medo de grandes salas ou ambientes desconhecidos podem se adaptar melhor a essas áreas através de jogos, como os de isca. É preciso persistência diária nas brincadeiras para que os benefícios calmantes apareçam.

     

    10 – Tenho mesmo de ir ao médico?

    Pixabay

    Todas as estratégias acima são úteis para lidar com o medo, a ansiedade e o estresse dos gatos, mas é preciso continuar atento. Especialmente se o bichano estiver passando por um estresse severo. Saber o que desencadeia o medo permite que você construa um plano para ajudar o gato a se sentir seguro.

    Visitas regulares ao veterinário são cruciais, e uma ida a especialistas em comportamento de felinos também é recomendável.

  • Back to top