Ciência explica por que seu gato vai ser sempre um bebê para você - Pet é pop

Ciência explica por que seu gato vai ser sempre um bebê para você

Ciência explica por que seu gato vai ser sempre um bebê para você
Ciência explica por que seu gato vai ser sempre um bebê para você
Ciência explica por que seu gato vai ser sempre um bebê para você (Foto: Kristina Yadykina/Unsplash)

Os donos de animais de estimação costumam tratar seus pets como filhos. E não importa a idade deles, eles ainda serão nossos bebês mesmo quando estão velhinhos.

Veja também:

+ Cirurgia salva a vida de cachorro que devorou seis pacotes de moedas de chocolate
+ Trancados em uma casa, 20 gatos praticam o canibalismo para sobreviver
+ Retrospectiva 2021: vídeos mostram as reações mais hilárias dos pets

De acordo com a ciência, entenda por que os gatos sempre serão os bebês de seus donos:

1. Os gatos possuem características neotênicas

Muitos gatos domésticos possuem características neotênicas, ou seja, se parecem com bebês humanos. Essas características incluem uma “cabeça grande e rosto redondo, testa alta e protuberante, olhos grandes, nariz pequeno e boca pequena”.

Na verdade, as pessoas consideram gatinhos e cachorrinhos tão fofos quanto bebês. Entre os humanos, a preferência pelas características do bebê se desenvolve em uma idade precoce e foi observada entre as crianças de 3 a 6 anos de idade.

2. Gatos têm miados de bebê

O miado do gato é em si uma característica neotênica que os gatos usam para atrair os humanos. Enquanto os gatinhos miam para as mães em busca de ajuda e atenção, os gatos adultos raramente miam para se comunicarem entre si, reservando esse tipo de vocalização para os humanos.

Além disso, os gatos selvagens normalmente não miam para os humanos, indicando que o miado de um gato doméstico é fortemente influenciado pela socialização. Os miados dos gatos domésticos também diferem daqueles dos gatos selvagens por serem mais curtos e agudos, e geralmente “menos ameaçadores, mais juvenis e mais atraentes”.

Os pesquisadores ainda sugerem que os miados dos gatos são semelhantes aos gritos de um bebê humano e que as preferências humanas nas vocalizações do gato podem ter desempenhado um papel nesta semelhança (por exemplo, através de processos de seleção).

3. Os gatos recebem e respondem à conversa de bebê

Sem surpresa, estudos indicam que as pessoas usam a linguagem do bebê com seus gatos. Esta tendência, denominada “fala dirigida por animais de estimação”, foi encontrada para capturar a atenção de cães e cavalos, e também é considerada para capturar a atenção de gatinhos, dada a sua capacidade demonstrada de perceber os sinais humanos.

4. Gatos amassam em humanos

Os gatos retêm mais do que vocalizações e características físicas infantis. Os gatos são famosos por suas atividades de amassar, durante as quais pressionam repetidamente as patas contra uma superfície macia e flexível, como um cobertor, um suéter ou um ser humano.

Este movimento permite aos gatinhos mamarem de suas mães. Entre os gatos adultos, acredita-se que massagear um ser humano promove um vínculo (pelo menos com o gato), semelhante ao vínculo anterior entre o gatinho e sua mãe.

5. Os gatos induzem a resposta do esquema do bebê

Existe uma razão evolutiva pela qual as pessoas são atraídas pelas fofas características infantis e vocalizações dos gatos. A fofura desperta um forte desejo de cuidar de várias criaturas (e até objetos), incluindo gatinhos.

Quando as pessoas são expostas a características fofas, elas mostram a “resposta do esquema do bebê”, caracterizada por “maior atenção e disposição para cuidar, afeto positivo e comportamento protetor, bem como uma diminuição da probabilidade de agressão contra a [criatura]”.

6. Os gatos e seus donos são apegados um ao outro

Comportamentos de cuidado podem levar a um forte vínculo entre o gato e seu dono. Os donos de animais de estimação e seus pets costumam formar fortes laços que imitam o vínculo entre um pai e um filho.

A maior parte das pesquisas anteriores sobre apego entre humanos e animais de estimação foi feita em cães. No entanto, estudos recentes indicam que, apesar de sua reputação indiferente, os gatos costumam ser apegados a seus donos, usando-os como uma base segura para exploração.

7. Pessoas antropomorfizam seus gatos

Nosso apego aos gatos só é favorecido por nossa tendência de antropomorfizar (atribuir qualidades e comportamentos semelhantes aos humanos a entidades não humanas) criaturas e objetos fofos.

Muitos proprietários de gatos comemoram o aniversário de seus gatos, os vestem com roupas, levam eles para passear e atribuem cognições ou emoções humanas a eles (por exemplo, sentimentos complexos como culpa, vergonha, orgulho e ciúme).

Acredita-se que a antropomorfização dos gatos seja motivada pela necessidade de um vínculo social e, de fato, descobriu-se que é maior entre os humanos mais solitários. A antropomorfização pode elevar nossos relacionamentos com gatos ou outros animais de estimação ao mesmo nível (ou até maior) de nossos relacionamentos com outros humanos.

8. Os donos de gatos podem experimentar o efeito de primazia

Muitos pais têm dificuldade em aceitar que seus filhos cresceram, mesmo que não sejam mais dependentes. Isso pode ser devido ao efeito de primazia ou à tendência das pessoas de pesar as informações anteriores mais fortemente do que as informações posteriores.

Ou seja, podemos sempre lembrar de nossos filhos como as crianças pequenas que precisavam de nossa ajuda. Da mesma forma, os donos de gatos que receberam seus gatos como filhotes podem sempre vê-los como criaturinhas carentes que requerem atenção constante.



  • Back to top