Casal reencontra nos EUA gato perdido na Coreia do Sul, a mais de 11 mil km - Pet é pop

Casal reencontra nos EUA gato perdido na Coreia do Sul, a mais de 11 mil km

Casal reencontra nos EUA gato perdido na Coreia do Sul, a mais de 11 mil km
Casal reencontra nos EUA gato perdido na Coreia do Sul, a mais de 11 mil km
Casal reencontra nos EUA gato perdido na Coreia do Sul, a mais de 11 mil km (Foto: Lucie Bénévise)

Depois de alguns meses perdido na Coreia do Sul, um gato chamado Cauliflower voltou para casa, na Geórgia, nos EUA, com seus donos.

Veja também:

Lucie Bénévise disse que ela e seu marido, Devin Lane, estavam se preparando para se mudar da Coreia do Sul para Hinesville, Geórgia, quando sua amada “Cauli” desapareceu. Lane, que trabalha como médico do Exército dos EUA, estava se mudando para Fort Stewart de sua base militar em Camp Humphreys, em Pyeongtaek, ao longo da costa oeste da Coreia do Sul.

Enquanto se preparava para a grande mudança, o casal recém-casado teve que garantir que seu gato recebesse todas as injeções e vacinas necessárias. “Para importá-la para os EUA, precisávamos de três rodadas de vacinas, da vacina contra a raiva, de um certificado de saúde, de um certificado de importação”, disse Bénévise, que nasceu em Paris, França, e viveu vários anos na Coreia do Sul, onde conheceu o marido.

A vacina contra a raiva de Cauli precisava ser concluída pelo menos 30 dias antes de sua partida para os Estados Unidos, e o casal estava ficando sem tempo. “Eu literalmente consegui meu visto americano talvez duas semanas antes de meu visto coreano expirar, então eu tive cerca de duas ou três semanas para conseguir um vôo para cá”, disse Bénévise ao WSAV.

Enquanto esperava que seu marido se juntasse a ela nos EUA, Bénévise planejou ficar brevemente no Texas com sua sogra, que tem cães. “Eu não poderia trazer essa responsabilidade para ela, tipo, ‘Ei, você precisa me ajudar e também tem que acomodar meu gato com seus dois cães'”, disse Bénévise.

Em vez disso, Bénévise e Lane criaram postagens no Facebook em vários grupos de cônjuges militares de Camp Humphreys em busca de uma família adotiva para Cauli. A esperança era que uma família amável cuidasse de Cauli por pelo menos dois meses até que o gato pudesse voar com Lane para os EUA enquanto ele cumpria suas obrigações na Coreia do Sul.

“Encontramos uma família realmente incrível que havia chegado talvez um mês antes”, disse Bénévise. “Eles disseram, ‘Tivemos que deixar nosso gato em casa nos EUA, então ficaríamos mais do que felizes em cuidar de seu gato por alguns meses até que seu marido esteja pronto para voar de volta com ela'”.

Cerca de uma semana depois de deixar Cauli com a família adotiva, Bénévise partiu em sua primeira viagem aos Estados Unidos, sem seu marido ou animal de estimação.

A fuga

No final de outubro, Lane e Cauli estavam prontos para se juntar a Lucie nos Estados Unidos. O médico do Exército teve que se apresentar para o serviço na Geórgia em 3 de novembro. Lane e seu gato deveriam partir do Aeroporto Internacional de Incheon por volta das 9h do dia 30 de outubro.

Um dos amigos de Lane o levou para buscar Cauli na casa de seus pais adotivos por volta das 5 da manhã, e eles voltaram para o quartel para que outro amigo pudesse acompanhá-los no trajeto até o aeroporto, de acordo com Bénévise.

“Enquanto esperavam por sua amiga, eles decidiram deixar a gata vagar no carro para que ela pudesse ter mais liberdade ou se sentir mais confortável”, disse ela. O motorista do carro então abriu o porta-malas, onde Cauli estava localizado.

“Ela enlouqueceu, saltou do carro e fugiu de medo porque não tinha ideia do que estava acontecendo, estava em um ambiente estranho e tudo mais”, disse Bénévise, acrescentando: “Foi assim que ela se perdeu”.

Em um esforço para ganhar tempo e continuar procurando por Cauli na base militar, Lane mudou a data do vôo. “Infelizmente, no final do fim de semana, ele não a encontrou e foi forçado a embarcar no vôo porque ainda tinha que estar aqui para se apresentar em seu próximo posto de serviço”, disse Bénévise.

A reunião do casal no Aeroporto Internacional Hartsfield-Jackson de Atlanta foi ofuscada pela realidade de que seu animal de estimação foi perdido em um país a mais de 7.000 milhas de distância. “Honestamente, foi comovente”, disse Bénévise, que se apaixonou por Cauli pela primeira vez quando ela era um filhote perdido no final de 2017.

“Eu só precisava ter essa gata, ela era tão fofa”, lembra Bénévise. “Acho que naquela época ela tinha apenas 2 ou 3 meses de idade, era muito pequena e adorável.”

À medida que a temporada de férias de 2020 se aproximava, Bénévise e seu marido entraram em contato com amigos e estranhos online na Coreia do Sul, pedindo-lhes para ficarem de olho em Cauli.

“Tínhamos feito um monte de postagens nos grupos de cônjuges do Facebook para Camp Humphreys e, a cada postagem que fizéssemos, aumentaríamos a recompensa”, disse Bénévise. O casal primeiro ofereceu uma recompensa de US$ 500 (cerca de R$ 2,6 mil), depois US$ 1.500 (aproximadamente R$ 8 mil) por seu retorno.

O casal recebeu várias fotos de pessoas que avistaram gatos que se pareciam com Cauli. “Você se esforça tanto, e é como uma decepção após decepção várias vezes por semana”, disse Bénévise, revelando que depois de um tempo, as pessoas lhe disseram para simplesmente desistir de procurar seu gato.

“Alguns dos meus amigos disseram, ‘Está tudo bem, Lucie, você fez tudo o que podia’, e eu sabia, tipo, não fiz tudo o que podia, ainda posso continuar”, disse ela. “‘Eu não acho que devo desistir'”.

“Senti muito alívio”

Então, por volta das 5h do dia 27 de dezembro, seu marido a acordou com entusiasmo. Ele havia recebido a foto de um gato malhado junto com uma mensagem de texto que dizia: “Ei, esse gato é seu? Estamos acariciando este gato realmente amigável, e ela não nos deixa em paz, então demos a ela um pouco de atum.”

Bénévise examinou a imagem. “Estava tão embaçado, mas eu sei que é ela, eu sei que é ela”, disse Bénévise. “É a coloração dela, é o rosto dela.”

Descobriu-se que Cauli não se afastou muito. Ela foi encontrada suja e pesando um pouco menos, vagando pela mesma base militar onde se perdeu. Sua família adotiva anterior voltou a cuidar do gato até que ela pudesse se reunir com sua família na Geórgia.

Levar seu animal de estimação para os Estados Unidos acabou sendo um desafio, Bénévise compartilhou. Eles precisavam de alguém nas forças armadas que pudesse voar da Coreia do Sul para Atlanta, Charleston ou qualquer aeroporto internacional dentro de cinco horas de distância de carro do casal.

“Alguém me enviou uma mensagem: ‘Meu filho de 22 anos vai para Atlanta em 9 de janeiro'”, disse Bénévise. Então, o dia que ela esperou seis meses finalmente chegou.

“Ele estava segurando a bolsa dela em volta do pescoço e me entregou a bolsa, e eu dei a ele uma pequena quantia em dinheiro para agradecê-lo por fazer isso”, disse ela sobre a reunião no aeroporto. “Eu sei que não deve ter sido fácil ter a gata com ele durante o vôo, mas ele disse que ela estava bem.”

Bénévise, seu marido e Cauli finalmente voltaram para casa em Hinesville pela primeira vez como uma família completa. “Ela acabou nesta torre dos gatos e não a deixou desde então”, disse Bénévise enquanto Cauli relaxava na torre atrás dela. “Ela sempre esteve comigo nas coisas boas e ruins”, acrescentou. “Senti muito alívio. Eu sei que ninguém pode amá-la tanto quanto eu a amo.”

  • Back to top