Cão vigia túmulo de seu dono há três anos - Pet é pop

Cão vigia túmulo de seu dono há três anos

Cão vigia túmulo de seu dono há três anos
Cão vigia túmulo de seu dono há três anos
Cão vigia túmulo de seu dono há três anos (Foto: Michal Hlaváčc/Unsplash)

Mino, de quatro anos, passou os últimos três anos junto ao túmulo de seu dono, um menino de dois anos que se afogou em um canal perto de sua casa no sul do Vietnã.

Veja também:

Arqueologistas encontram cão enterrado com o dono há 8.400 anos
Humanos acreditam que cães vão para o céu há muito tempo, demonstram arqueólogos
Projeto de lei defende que pets possam ser enterrados no túmulo da família

O cachorro e o menino eram inseparáveis ​​durante o ano em que estiveram juntos.

O cachorro de pelo preto, Mino, tornou-se mais claro para um marrom lamacento na parte inferior de suas costas, o que a família atribui às longas horas que ela passa ao sol e à chuva deitada sobre o túmulo do menino, que morreu em Long An província, localizada na região do delta do rio Mekong.

Nguyen Thi Ut, a avó da criança, contou à EFE como, três dias após o sepultamento, mantido nos fundos da casa, a cadela pousou na sepultura e não havia como fazê-la ir embora. “Eu tentei impedi-la de ir porque não parecia certo para mim, mas ela sempre acabava voltando. No final, decidi deixá-la”, disse a mulher de 57 anos.

Mino veio para a família ainda filhote, quando o pequeno Khet tinha apenas um ano de idade e eles se tornaram amigos desde o início, conta Ut. Os dois passavam o dia brincando juntos enquanto os pais trabalhavam e os avós cuidavam da casa.

Mas, o vínculo especial entre a criança e o cachorro foi quebrado pela trágica morte de Khet aos dois anos de idade. Um dia, enquanto sua mãe cozinhava, Khet saiu de casa, atravessou a estrada de terra que separa a casa do canal adjacente e caiu na água sem que ninguém chegasse a tempo de salvá-lo.

Ele foi enterrado atrás de sua casa, como é costume na zona rural do Vietnã, e três dias após o enterro, Mino se acomodou na lápide, o lugar onde passou a maior parte do tempo desde a tragédia ocorrida há três anos.

Simpático por natureza, Mino vem cumprimentar os visitantes e fica alguns minutos, deitado ao lado da mesa na entrada da precária habitação. Mas, depois de um tempo, ela reassume sua posição na lápide, da qual ela só vai sair horas depois que o sol se pôr.

“Ela sempre chega em casa por algumas horas ao meio-dia e depois vai embora, mesmo se estiver muito sol ou chovendo. Às vezes ela até passa a noite inteira”, disse Ut, convencido de que o animal sabe o que aconteceu com a criança e que seu corpo está enterrado ali.

Cachorro quieto, Mino não late nem uiva sobre o túmulo, mas simplesmente deita sobre ele e permanece ali a maior parte do dia. “Às vezes, ela pega um pouco de comida ou fruta e os deixa perto do túmulo”, disse o pai de Khet, Nguyen Thanh Go.

A irmã mais velha de Khet, de seis anos, brinca pela casa enquanto Go cuida do bebê de 11 meses, nascido dois anos depois da tragédia. O cachorro é afetuoso com eles, mas Ut diz que ela não desenvolveu um vínculo tão próximo com nenhum de seus netos quanto o que tinha com Khet.

Ciente das longas horas que Mino passava no sol e na chuva, um amigo da família deu a eles um barracão para abrigá-la, mas eles tiveram que removê-lo alguns dias depois que um parente que reivindicou a propriedade do terreno reclamou.

Em resposta ao pedido do parente, a família realizará uma cerimônia em março para mover o túmulo para mais perto de casa.

  • Back to top