Cães sabem quando humanos cometem erros, indica estudo - Pet é pop

Cães sabem quando humanos cometem erros, indica estudo

Cães sabem quando humanos cometem erros, indica estudo
Cães sabem quando humanos cometem erros, indica estudo
Cães sabem quando humanos cometem erros, indica estudo (Foto: Wieger Stienstra/Unsplash)

De acordo com um novo estudo, os cães sabem quando humanos cometem erros. Além disso, eles aparentemente conseguem diferenciar quando seus donos fazem algo errado por engano ou de propósito.

Veja também:

+ Vai viajar com seu cão ou sem ele? Saiba o que fazer nos dois casos
+ Azul passa a acolher pets em seus voos internacionais
+ Cães conseguem prever ataques epiléticos em humanos, confirma estudo

A pesquisa, realizada pelo Instituto Max Planck de Ciência da História Humana em Jena, Alemanha, foi publicada nesta quarta-feira (1) na revista Scientific Reports.

“Devo dizer que fiquei surpresa. Não esperava ter essa imagem clara”, disse Juliane Bräuer, chefe do laboratório de estudos caninos do Instituto Max Planck, ao site NPR.

Mas nem todo mundo acredita nas conclusões de seu grupo. “Não estou convencido”, disse Clive Wynne, diretor fundador do Canine Science Collaboratory na Arizona State University em Tempe, que não trabalhou neste estudo.

“Eu acho que é uma questão fascinante, mas é uma questão tremendamente difícil de entender, então neste ponto eu acho que o júri ainda está decidindo se os cães realmente entendem as intenções humanas ou não”, acrescentou ele.

O experimento foi realizado com 51 cães, que foram ensinados que um experimentador os alimentaria com guloseimas saborosas através de uma abertura em uma divisória de vidro.

“E então interrompemos esse padrão estabelecido, suspendendo repentinamente as guloseimas”, explicou Britta Schünemann, da Universidade de Harvard, que fez esse trabalho enquanto estava na Universidade de Göttingen.

Em vez de passar pela divisória, os petiscos desta vez ficaram do lado do experimentador. Os cães podiam vê-los ali, tentadoramente perto, no chão.

Clumsy
(Foto: Judith Keller)

Às vezes, as guloseimas acabavam lá porque eram negadas “por acidente”. Nesses casos, o experimentador tentou passar as guloseimas pela divisória, mas deixou-as cair desajeitadamente. Ou então, a lacuna na divisória de vidro foi fechada e o cão pôde observar o experimentador tentar passar as guloseimas, mas não conseguiu.

Outras vezes, porém, o experimentador mostrava ao cão as guloseimas através da abertura na divisória de vidro e então as retirava deliberadamente, colocando intencionalmente a comida no chão ao lado de seu assento.

Cada vez que o cão deixava de conseguir comida, não importa por que a guloseima fosse negada, o cão poderia simplesmente caminhar ao redor da lateral da divisória e engolir as guloseimas facilmente visíveis. Mas se eles fizeram isso, e com que rapidez, parecia depender se a pessoa parecia ter negado ao cão as guloseimas “acidentalmente” ou propositalmente.

Unwilling
(Foto: Judith Keller)

Os cães se aproximaram da comida no chão rapidamente quando o experimentador não conseguiu dar a eles “por acidente”. Mas quando o experimentador reteve deliberadamente as guloseimas, os cães pareceram mais hesitantes. Eles esperaram mais antes de contornar a divisória para tentar comê-lo.

Alguns cães nem mesmo tentaram obter comida que foi retida intencionalmente. Em vez disso, eles simplesmente se sentaram. Esse foi um comportamento inesperado, segundo Bräuer, que imagina que os cachorros talvez estivessem pensando algo do tipo: “Estou sendo um bom cachorro e talvez então ela me dê a comida que obviamente não quer me dar no momento.”

Bräuer observa que todo esse conjunto de circunstâncias foi incomum para os cães – porque seus donos muito provavelmente não teriam o hábito de importuná-los com comida e se recusar a dá-la. A forma como os cães reagiram, diz ela, “pode ​​realmente sugerir que eles são capazes de compreender a intenção, pelo menos nesta configuração simples.”

“A mensagem para levar para casa para mim é que eles são muito sensíveis e podem até distinguir se fazemos as coisas de propósito ou não”, disse Bräuer. “Eles estão constantemente nos observando e são muito sensíveis a essas diferenças sutis, como vimos naquele experimento. Acho isso incrível e interessante.”

Wynne, no entanto, acha que mesmo as descobertas dessa experiência com alimentos são difíceis de interpretar. O que os experimentadores estavam tentando transmitir por meio de suas ações, disse ele, “é algo extremamente sutil e confuso para qualquer um captar, ainda mais para um cachorro”.

“Discriminar entre ações que diferem apenas sobre se a pessoa que as executa tinha a intenção de executá-las ou não é uma coisa extremamente difícil de fazer”, disse Wynne. Ele diz que se um garçom derrama vinho tinto em um cliente e pede desculpas, por exemplo, pode ser difícil para o cliente saber se o garçom realmente despejou o vinho por acidente ou estava agindo secretamente por maldade.

E neste experimento, segundo ele, todas as ações das pessoas foram, na verdade, intencionais: o experimentador estava apenas fingindo deixar cair a guloseima ou ser impedido de entregá-la. “Se você fizesse isso comigo”, disse ele, “acho que eu entenderia.”

“Não encontro nenhuma ciência anterior ou qualquer intuição que me diga quando um cachorro estaria com muita pressa para pegar algo ou mais devagar para pegar algo. Simplesmente não corresponde a nada que eu posso pensar. Então, essas são minhas dúvidas”, concluiu o especialista.

Segundo ele, os cães são brilhantes e têm adaptações maravilhosas que os permitem viver com humanos, como a habilidade de formar um vínculo emocional estreito entre as espécies. Mas ele duvida que os cães se importem muito com as intenções das pessoas.

Ele ressalta que as pessoas que vivem com cães passam muito tempo tentando ensiná-los qual comida é para cães e qual é para humanos. “Trabalhamos muito, muito duro nisso”, disse ele, “e ainda assim, no final do dia, quando cai no chão, o cachorro está em cima.”

  • Back to top