Cães que vivem com mulheres são mais medrosos, aponta estudo - Pet é pop

Cães que vivem com mulheres são mais medrosos, aponta estudo

mulher e cão - Foto Pixabay



mulher e cão - Foto Pixabay

No Brasil, cães de mulheres, castrados e os que vivem sem a companhia de outro cão são mais medrosos. Animais mais velhos apresentam menor energia e um risco potencial maior de desenvolver depressão.

Além disso, a tendência a ser mais entusiasmado e cheio de energia é mais relatada em cães que vivem dentro de casa. Por fim, cães sem raça definida são, ao mesmo tempo, mais medrosos, mas também mais cheios de energia e entusiasmados do que os animais de raça.

Essas são as conclusões de um estudo feito por pesquisadores do Brasil e do Reino Unido. Eles usaram uma escala com parâmetros psicométricos para estudar a sensibilidade de cães a recompensas, desenvolvida no Reino Unido, e a adaptaram para ser usada no Brasil.

Até então, muitas pessoas assumiam que bastava traduzir uma escala desenvolvida em outro país e usá-la, mas esse estudo mostra que é necessário ir além.

mulher e cão fazem ginástica - Foto Pixabay

Publicado na Scientific Reports”, uma revista científica do grupo Nature, o estudo mostrou como devemos adaptar instrumentos (questionários) que usamos para avaliar o temperamento de cães de acordo com a cultura onde o instrumento será usado.

A professora Carine Savalli, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), primeira autora do artigo ressalta: “Somente a adaptação cultural e a validação estatística podem garantir que o instrumento usado é, de fato, apropriado”.

Por exemplo, uma questão usada na versão em inglês pergunta sobre o comportamento do cão no jardim. Essa questão, no entanto, não se mostrou importante na versão brasileira, provavelmente porque a vida de cães em casas com jardins é menos comum no Brasil que no Reino Unido.

Mulher e vira-lata SRD - Foto Pixabay

Com os devidos ajustes, os pesquisadores estabeleceram uma versão adaptada do instrumento, apropriada para ser utilizada no Brasil.

A professora Carine afirma que o estudo apresenta implicações teóricas e práticas. “O Brasil tem uma população enorme de cães. Há mais cães do que crianças nos lares brasileiros, de acordo com estatísticas oficiais. Uma parcela considerável dessa população é de cães sem raça definida, muitos já viveram nas ruas. Esse perfil particular requer estudos específicos para compreendermos as tendências comportamentais dos cães no nosso país”.

Comentando o estudo, o professor Daniel Mills – da Universidade de Lincoln, que desenvolveu o instrumento original em inglês e é co-autor desse novo estudo – disse: “Se quisermos entender o mundo emocional de animais como os cães, é importante termos instrumentos que possam ser usados em diferentes culturas”.

mulher cão tablet - Foto Pexels

Segundo o professor, estamos no momento de ver mais claramente quais os fatores que afetam o temperamento dos cães e o que há de semelhanças e diferenças entre diferentes países e culturas, que aspectos são únicos em cada caso.

“Infelizmente, a popularidade dos instrumentos não está vinculada à sua validade, e muitas pessoas somente traduzem os instrumentos de uma língua para outra e assumem que as versões estão medindo as mesmas coisas, com o mesmo grau de acurácia”, diz Mills.

Ele afirma ainda que essa pesquisa define um novo padrão de avaliação, que garante dados com qualidade para estudar o temperamento dos cães.

Veja também

+ Golden retriever obeso é abandonado, ganha nova família e perde 45 kg

+ Artista recria rostos de imperadores romanos

+App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+McDonald’s vende molho especial pela primeira vez no Brasil

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Edu Guedes faz desabafo sobre acidente de moto: ‘O susto foi grande’

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo


  • Back to top