Cães gaúchos são homenageados por atuação na tragédia em Brumadinho (MG) - Pet é pop
  • Cães gaúchos são homenageados por atuação na tragédia em Brumadinho (MG)

    Passados três meses da missão mais difícil de suas vidas, os labradores Guapo, Bono, Logan e Barão, a perita Cristina Barazetti Barbieri e os bombeiros Gerson Meireles dos Santos, Alex Sandro Teixeira Brum, Vagner Charão Lago e Juliano Soares Sodré foram oficialmente reconhecidos nesta sexta-feira, dia 7.

    Ao lado de equipes de todo o país, servidores e cães foram designados pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, para representar os gaúchos na tentativa de amenizar as perdas e o sofrimento causado pelo rompimento da barragem de Brumadinho (MG).

    Fotos Gustavo Mansur / Palácio Piratini

    “O trabalho desses bravos homens e cachorros muito nos orgulha, porque serviu para amenizar a dor de muitas famílias no auge do sofrimento”, destacou Leite, um dos responsáveis por condecorar os seis servidores e os quatro cães de salvamento com a medalha da Defesa Civil do RS.

    A homenagem ocorreu nos jardins do Palácio Piratini, sede do governo gaúcho, com presença de autoridades civis e militares. Vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior também participou da condecoração.

    Gustavo Mansur / Palácio Piratini

    “Como operador da segurança como vocês, quero dizer que estou muito orgulhoso desse trabalho e dizer que vocês representaram todos os colegas militares e civis que doam as próprias vidas para salvar a de todos os gaúchos”, afirmou Ranolfo.

    A missão

    A equipe gaúcha foi enviada para a missão no dia 1º de março deste ano, pouco mais de um mês depois de a lama dizimar casas, vegetação, animais e pelo menos 246 vidas – outras 24 pessoas seguem desaparecidas, conforme os dados atualizados na quinta-feira, dia 6.

    “Diante daquele cenário difícil e antagônico, o trabalho em equipe, atuando sempre com profundo sentimento humano e solidário, foi fundamental e, me apropriando das palavras da perita Cristina, foi ‘mais forte até do que a força das águas’”, destacou o chefe da Casa Militar e coordenador estadual de Proteção e Defesa Civil, coronel Júlio César Rocha Lopes.

    Treinados para identificar odor cadavérico, os cachorros, ao lado de suas respectivas duplas de bombeiros, tiveram de se adaptar ao terreno movediço para realizar buscas às vítimas.

    Já a perita do Instituto-Geral de Perícias foi a única integrante de um órgão estadual na força-tarefa que coletou as amostras usadas para a investigação de crime ambiental na região, definindo os pontos para a coleta e a retirada de amostras de lama e rejeitos para fins de análise.

    A ação foi exitosa, conforme o chefe da operação gaúcha, tanto que a estadia, que era para ser de 10 dias, passou para 24.

    Com informações da Secretaria de Comunicação do Rio Grande do Sul

  • Back to top