Cães braquicefálicos como pugs e buldogues lideram casos de abandono no Reino Unido - Pet é pop

Cães braquicefálicos como pugs e buldogues lideram casos de abandono no Reino Unido

Cães braquicefálicos como pugs e buldogues lideram casos de abandono no Reino Unido
Cães braquicefálicos como pugs e buldogues lideram casos de abandono no Reino Unido
Cães braquicefálicos como pugs e buldogues lideram casos de abandono no Reino Unido (Foto: JC Gellidon/Unsplash)

As raças braquicefálicas, como pugs e buldogues, têm um focinho que foi propositalmente encurtado por meio de reprodução seletiva intensa e deu origem a uma série de problemas de saúde. Eles são regularmente atormentados por problemas respiratórios, de pele e olhos devido a complicações que surgem como resultado de seu nariz encurtado.

Veja também:

Vídeo fofo: dona constrói elevador de madeira para seus pugs velhinhos
Caça a leões, mordida em Napoleão: 12 coisas que você talvez não saiba sobre os pugs
Estudo: 20% dos buldogues e pugs precisam de cirurgias corretivas

Uma pesquisa da Nottingham Trent University mostra que o número de cães de rosto achatado em centros da 16 Dogs Trust e RSPCA dobrou de 24, em 2014, para 48, em 2018. O estudo, publicado no Journal of Applied Animal Welfare Science, analisou as tendências de abandono de cães ao longo do tempo.

Uma das descobertas foi que o número de cães condenados a uma vida em um abrigo de resgate segue aproximadamente as tendências para certas raças. A pesquisa também descobriu que os cães têm maior probabilidade de serem expulsos de suas casas quando atingem a idade de três ou quatro anos. Mais de um terço (34 por cento) de todos os cães se enquadram nessa faixa etária.

Os dados do estudo revelam que as raças braquicefálicas representam cerca de 5% de todos os cães em centros de resgate e realocação. Os cães de raças mistas são o tipo mais comum de cães nos centros de resgate e realocação do Reino Unido, representando 15% de todos os residentes.

Embora os cães sejam frequentemente abandonados quando entram na meia-idade aos três anos, o estudo descobriu que cães velhos (com mais de oito anos) têm menos probabilidade de serem encaminhados para um centro de realocação, representando apenas 15% de todos os cães.

A moda de ter um cachorro do tamanho com um rosto achatado, como os pugs e os buldogues, começou há vários anos, com os filhotes adotados no início da tendência agora mais velhos e potencialmente lutando contra problemas de saúde.

“Descobrimos que as raças em centros de resgate parecem, até certo ponto, refletir as tendências de mudança da popularidade das raças no Reino Unido”, disse a Dra. Anne Carter, da Nottingham Trent University, co-autora do estudo. “O número crescente e a popularidade crescente das raças braquicefálicas já estão influenciando a disseminação demográfica nos centros de resgate.”

Segundo a Dra. Anne esse padrão tende a continuar. “Particularmente quando esses cães atingirem os 3 e 4 anos de idade, que descobrimos ser a idade mais comum para cães sendo abandonados.”

A especialista também alerta que os problemas crônicos de saúde que afligem essas raças, os meios de tratamento muitas vezes podem ser caros, esgotando os recursos limitados das instituições de caridade.

A especialista em bem-estar de cães da RSPCA, Dra. Samantha Gaines, disse: “Infelizmente, raças de rosto chato, como pugs e buldogues franceses, podem ter problemas crônicos de saúde, como respiração deficiente, causados ​​pela maneira como foram criados para ter características exageradas.”

“Isso pode causar problemas sérios e exigir uma cirurgia corretiva cara, às vezes levando os cães a serem abandonados ou entregues aos cuidados de uma instituição de caridade”, acrescenta. “A RSPCA recomenda que as pessoas parem e pensem se querem comprar um cão de cara chata e considerem uma raça alternativa ou cruzada com menor risco de problemas de saúde.”

Muitos cães com nariz encurtado são afetados por uma doença chamada Síndrome das Vias Aéreas Obstrutivas Bracéfalo. Pesquisas anteriores também descobriram que eles têm duas vezes mais chances de sofrer de insolação em comparação com outras raças. No entanto, algumas raças correm um risco ainda mais significativo.

O buldogue inglês, por exemplo, tem 14 vezes mais probabilidade de sofrer uma insolação do que um labrador. Outros cães de cara chata com risco aumentado incluem o buldogue francês (6 vezes) e o pug (3 vezes).

Os cientistas descobriram que a reprodução seletiva extrema para raças de rosto achatado tornou quase impossível para eles se refrescarem. Os cães não suam como os humanos e, portanto, dependem muito da respiração ofegante para baixar a temperatura corporal, mas o braquicefalismo torna esse processo muito menos eficaz.

Apenas 20 minutos em um carro podem causar uma insolação, o que pode ser fatal para os cães. Um em cada sete cães diagnosticados com a doença morre como resultado direto.

Cientistas identificaram o gene responsável pelo rosto achatado e esperam que isso possa ajudar a aliviar o sofrimento das futuras gerações dessas raças. O gene defeituoso, denominado ADAMTS3, está associado à retenção de líquidos e faz com que o revestimento das vias aéreas inche, causando sibilância.

  • Back to top