Cachorro da família adormece sobre bebê de quatro meses, que morreu sufocada - Pet é pop

Cachorro da família adormece sobre bebê de quatro meses, que morreu sufocada

Cachorro da família adormece sobre bebê de quatro meses, que morreu sufocada
Cachorro da família adormece sobre bebê de quatro meses, que morreu sufocada
Cachorro da família adormece sobre bebê de quatro meses, que morreu sufocada (Foto: Rebecca Hobbs/Unsplash)

Em março de 2020, um bebê de quatro meses, Korowai-Aroha Maru-Walker, estava passando a noite na casa de seus avós. Junto com seus avós estava sua tia e o cachorro da família, um buldogue chamado Wairua.

Veja também:

+ Tratar seu cão como bebê deixa você mais feliz e saudável, diz a ciência
+ Vídeo hilário: cachorro ajuda macaco a furtar pacote de salgadinho em mercado
+ Seu pet mudou de comportamento e hábitos durante a pandemia? Saiba o que fazer

Ela foi colocada para dormir em uma cadeira na sala de estar às 21h, foi alimentada novamente às 2h e voltou a dormir na cadeira. Sua avó dormia em uma colchão de ar nas proximidades.

No entanto, quando a tia do bebê entrou no cômodo na manhã seguinte, ela encontrou o cachorro dormindo em cima do bebê. Wairua foi retirado, mas Korowai-Aroha não respondeu.

Em seu relatório, o legista Matthew Bates descreveu sua morte como “trágica” e serviu como um lembrete de que todo sono deve ser um sono seguro.

Em 2017, o Ministério da Saúde da Nova Zelândia lançou um programa de prevenção para reduzir o número de óbitos de bebês. Um dos dois focos do programa foi o compartilhamento de leitos inseguros.

“No presente caso, não havia cama compartilhada com sua família, mas a cadeira em que Korowai-Aroha estava dormindo era conhecida por ser usada ocasionalmente pelos cães de seus avós”, disse Bates.

“Isso apresentou um risco de sufocamento semelhante ao risco associado, como tragicamente percebido no caso de Korowai-Aroha”, acrescentou o legista. Bates enfatizou que Korowai-Aroha era “claramente amada e bem cuidada por sua família”. Por esse motivo, ele não considerou que recomendações formais fossem necessárias.



  • Back to top