Aumenta o número de casos de cães que ingerem maconha; e isso não é bom - Pet é pop

Aumenta o número de casos de cães que ingerem maconha; e isso não é bom

Aumenta o número de casos de cães que ingerem maconha; e isso não é bom
Aumenta o número de casos de cães que ingerem maconha; e isso não é bom
Aumenta o número de casos de cães que ingerem maconha; e isso não é bom (Foto: Thewonderalice/Unsplash)

Muitos cães estão ingerindo maconha por acidente nos Estados Unidos, especialmente em estados que a droga é legalizada e seu uso se tornou mais difundido, de acordo com a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra Animais.

Veja também:

+ Veterinários alertam: cães jamais devem lamber o prato do dono; entenda
+ Quem é mais inteligente, cão ou gato? A resposta não é simples, diz a ciência
+ Flores são nocivas para o seu pet? Confira dicas para preservar a saúde de cães e gatos

Entre 2017 e 2020, milhares de donos americanos relataram que seus cães haviam ingerido maconha, segundo Tina Wismer, veterinária e diretora sênior do ASPCA Poison Control Center, com sede em Nova York. O número saltou de 1.436 para 3.923 casos.

Esses números são provavelmente apenas uma fração da verdadeira incidência de envenenamento por maconha, porque relatar o caso ao centro de controle é voluntário, mas a tendência é clara. Na Califórnia, onde a maconha recreativa foi legalizada em novembro de 2016, os números das ligações aumentaram 276% entre 2016 e 2020. No Colorado, esses números aumentaram onze vezes desde a legalização em 2012.

“Se você perguntar a qualquer um de nossos veterinários de pronto-socorro, todos dirão que o número de cães intoxicados por cannabis aumentou aos trancos e barrancos desde a legalização da maconha medicinal e recreativa para humanos”, explicou Karl Jandrey, professor de ciências veterinárias na UC Davis.

Mas, qual o problema de cães ingerirem maconha? Primeiro, um cachorro ingerindo maconha em uma quantidade destinada a um humano que tem várias vezes o seu peso, pode causar um efeito narcótico sério.

Além disso, se os cães estão mastigando drogas encontradas ao ar livre, como no gramado de parques públicos, é possível que essas drogas contenham substâncias químicas diferentes do THC, o ingrediente ativo da maconha, disseram vários veterinários.

Algumas das incidências relatadas, possivelmente a maioria, são cultivadas em casa, com cães tropeçando com o estoque de seu dono no balcão ou sofá. Mas um número crescente de envenenamentos também está ocorrendo na “natureza”.

No aplicativo Nextdoor, donos de cães em Marin County, na Califórnia, colaboraram recentemente com suas próprias histórias de cães sendo inadvertidamente “drogados” em caminhadas pela vizinhança, em parques próximos, em escolas e praias públicas.

Especialistas disseram que os sinais clássicos de toxicidade da maconha em cães incluem: instabilidade nos pés, depressão, olhos dilatados, gotejamento de urina, sensibilidade ao toque e som, batimento cardíaco lento e até mesmo temperatura corporal baixa. Os sintomas geralmente começam a se manifestar cerca de 20 a 40 minutos após a exposição.

Tina Wismer disse que se o dono de um cachorro suspeitar de envenenamento por cannabis, ele deve entrar em contato com seu veterinário imediatamente. Em alguns casos, o veterinário vai querer ver o cachorro imediatamente, em casos mais leves, eles vão sugerir que seu animal de estimação apenas leve-o para casa.

  • Back to top