Arqueólogos encontram estátua de cão em tumba romana com mais de 2.000 anos - Pet é pop

Arqueólogos encontram estátua de cão em tumba romana com mais de 2.000 anos

Arqueólogos encontram estátua de cão em tumba romana com mais de 2.000 anos
Arqueólogos encontram estátua de cão em tumba romana com mais de 2.000 anos
Arqueólogos encontram estátua de cão em tumba romana com mais de 2.000 anos (Foto: Ministero Della Cultura)

Arqueólogos encontraram um antigo complexo funerário que continha uma urna funerária de cerâmica intacta contendo fragmentos de ossos e uma estátua da cabeça de um cachorro.

Veja também:

+ Homem morre ao tentar salvar seu cão de incêndio na noite de Ano Novo
+ Saiba como diagnosticar e o que fazer caso seu gato pegue um resfriado
+ Vídeo: gato implora por pedaço de pizza de um jeito comovente

De acordo com os especialistas, o busto canino (pequeno o suficiente para caber na palma da mão) lembra as peças decorativas de sistemas de drenagem usados ​​em salas inclinadas. No entanto, a estátua do cachorrinho parece ter perdido seu orifício de ralo, ou talvez nunca tenha tido um e foi feita para fins puramente estéticos.

Especialistas em cães da RSPCA disseram ao MailOnline que é “complicado” identificar a raça do cão, pois, dada a natureza da escultura, não havia senso de escala. “Pode ser representativo de uma raça grande ou toy”, disse um porta-voz, observando que as raças de cães também mudaram significativamente nos últimos dois milênios.

“Durante o período romano, havia uma criação seletiva de cães para qualidades desejáveis ​​e para funções específicas, como caça, guarda, companheiros, etc.”, acrescentaram.

Os romanos mantinham os cães como animais de estimação e para proteger a propriedade e o gado, com uma raça popular sendo o cão molossiano, que veio da Grécia antiga. Os historiadores acreditam que eles também mantinham cães que seriam semelhantes em aparência aos modernos wolfhounds irlandeses, galgos, lurchers, malteses e muito mais.

Os arqueólogos acreditam que as estruturas que constituem o complexo funerário foram construídas entre o século 1 aC e o século 1 dC. “A descoberta lança uma nova luz sobre um contexto importante”, disse o superintendente especial de Roma, Daniel Porro, ao Times. “Mais uma vez, Roma mostra importantes vestígios do passado em todo o seu tecido urbano.”



  • Back to top