Aprenda o jeito certo de alimentar um gato adulto - Pet é pop

Aprenda o jeito certo de alimentar um gato adulto

Aprenda o jeito certo de alimentar um gato adulto
Aprenda o jeito certo de alimentar um gato adulto
Aprenda o jeito certo de alimentar um gato adulto (Foto: Laura Chouette/Unsplash)

Segundo especialistas, alimentar um gato adulto pode ser um desafio, especialmente para donos iniciantes. Veja como garantir as necessidades nutricionais dos felinos através da alimentação!

Veja também:

+ Confira 20 raças de gatos que continuam pequenos mesmo depois de adultos
+ Dono usa a mesma tigela para alimentar seu gato e sua filha; tem problema?
+ Vídeo: gato curioso faz escalada arriscada para ver o mundo do outro lado da cerca

O que deve ser considerado na hora de escolher uma ração para os gatos? Embora os alimentos para gatos adultos possam conter uma grande variedade de ingredientes, a veterinária Jennifer Larsen diz que seu foco deve estar nos nutrientes.

“Muitas pessoas acreditam que os gatos só precisam comer comida enlatada e não serão saudáveis ​​se comerem comida seca”, disse Larsen ao site Fetch by WebMD, observando que a maioria dos gatos pode se dar bem em qualquer um dos dois.

Comida de gato enlatada vs. seca: qual é a melhor?

Os especialistas não chegaram a um consenso completo. Mas a maioria concorda com alguns dos prós e contras da ração seca e úmida para gatos adultos.

Ração seca para gatos adultos:

  • É mais econômica;
  • É conveniente, porque você pode deixá-lo para fora e ele não estraga tão facilmente;
  • Tem alta densidade energética, o que significa que um gato pode consumir muitas calorias rapidamente;
  • Tem cerca de 10% de teor de umidade;
  • Tende a ter mais carboidratos e menos proteínas do que alimentos úmidos;
  • Pode ser apenas um pouco melhor do que comida enlatada na prevenção de doenças dentárias.

Ração enlatada para gatos adultos:

  • É mais cara;
  • Pode estragar mais facilmente e requer refrigeração após a abertura;
  • Tem menos densidade energética do que comida seca;
  • Tem até 78% de teor de umidade;
  • Tende a ter mais gordura e proteína (especialmente proteína animal) e menos carboidratos do que alimentos secos.

Apesar de não ter sido comprovado que a ração úmida seja mais benéfica para os felinos do que a seca, o alto teor de umidade na comida úmida pode ser bom para gatos com problemas do trato urinário, diabetes ou doença renal.

A quantidade de umidade da ração pode ajudar a compensar o impulso de baixa sede dos gatos, que pode ser parcialmente devido à sua evolução como animais do deserto.

Além disso, níveis mais altos de proteína encontrados com mais frequência em alimentos úmidos podem ser benéficos para carnívoros estritos como gatos, que dependem do consumo de animais para atender às suas necessidades nutricionais e requerem até três vezes a proteína dos onívoros.

“Mas você pode ter uma dieta rica em proteínas que ainda seja deficiente em aminoácidos essenciais”, explicou Larsen, citando a taurina como exemplo. “E o mesmo é verdade para gorduras e ácidos graxos essenciais. Portanto, você precisa se certificar de que as subpartes sejam cobertas.”

Quando e com que quantidade devo alimentar meu gato adulto?

Segundo especialistas, é difícil medir exatamente a quantidade de comida que o gato deve ser alimentado. Muitos fatores podem interferir na necessidade de alimento dos felinos, como o clima, atividade e metabolismo do gato.

No geral, é um consenso entre os veterinários que o físico do gato pode ser usado para os donos avaliarem a necessidade de comida do gato. Se ele parece que está com sobrepeso, a quantidade de comida deve ser diminuída. Caso você segure ele e veja que consegue sentir suas costelas, ele não está comendo o suficiente e a quantidade de ração deve ser aumentada.

Sobre a frequência, Larsen sugere alimentá-lo duas vezes ao dia, dividindo a quantidade total de comida que o gato deve comer em duas porções. “Pode ser necessário ajustar as porções conforme você aprende a quantidade de manutenção diária ideal do seu gato”, acrescentou ela.

E quanto aos petiscos? “Mantenha as calorias das guloseimas em menos de 10% das calorias diárias”, sugeriu Larsen. Caso contrário, seu gato pode começar a comer menos de sua comida regular, o que significa que sua dieta geral pode carecer de nutrientes essenciais. E, claro, muitas guloseimas podem tornar a silhueta do gatinho muito mais difícil de recuperar.



  • Back to top